Pular para o conteúdo principal

Só quero estar lá...





Sou gorda. Vocês sabem disso. E quem me conhece sabe mais. Eu uso biquíni na praia. 

Não disfarço, há alguns anos, minha barriga grande em um maiô. Não escondo as coxas coladas e com celulite em bermudas de algodão enquanto tomo banho de mar. Não ando cabisbaixa na beira-mar. Pois, não tenho vergonha de mim ou do que sou. E, em uma contradição assombrosa até para mim, embora eu me considere bonita, não penso que meu corpo seja agradável ao olhar. Mas me dou o direito de ficar tão à vontade quanto os pálidos e esquálidos. Quanto os magros ou os falsos magros. Ou aqueles deuses e deusas do verão, que se exibem sobre a areia para nosso deleite. 

Eu não acho a maioria das pessoas bonitas na praia, mas respeito a vontade e o direito delas de ocuparem o espaço como quiserem. Nada mais natural do que usufruir do mesmo direito.

Vou aproveitar que estou nessa conversa aberta e confessar: fico incomodada com o olhar de incredulidade quando estou na praia. O riso não me incomoda. O cochicho também não. Afinal, como costumo dizer, quem nasceu preta e cresceu gorda nessa vida está habituada com o bullying. Agora, o olhar de incredulidade não. Ele é limitador ao que considero meu, também.

Essa pessoa não acredita no que vê. E fica mirando, ostensivamente, para se convencer de que é verdade: uma mulher gorda que pensa ter o direito de usar biquíni na praia. 

Esse olhar traz mais informações. Além de te negar esse direito, também expõe sua repulsa pelo teu corpo disforme, expondo o que imagino ser inveja pela minha coragem, mas não é coragem... É apenas a minha naturalidade. A minha vaidade (gorda) de mulher. Esse olhar reforça preconceitos. “Se ela pensa que pode andar assim, por que deveria me privar de usar também, já que sou ‘bonita’?” 

Esse olhar é de ofensa. Sim. Eles se sentem ofendidos por eu estar expondo algo de que não gostam. Impondo a eles uma visão que não querem ter a opção de ver. Mas para mim é uma situação clara: basta não olhar.

No entanto, julgam-me. Sei lá de que. Mas é um julgamento sem ser culpada. Sem participar de concurso. Apenas o comportamento de estar ali, num lugar público, da maneira que me dou ao direito. É. Eu tenho esse direito. De tomar sol em quase minha totalidade, combinando as peças do biquíni (ou não), de me refrescar ao máximo. Ou o simples fato de querer sentir a água fresca do mar, borbulhante e salgada, acariciando a minha pele flácida sobre uma farta camada adiposa.

Mesmo assim não adianta. Sou condenada. Alguns tentam disfarçar. Outros nem tentam. Os mais jovens, adolescentes, são audaciosos: tiram foto, comentam entre si, apontam. Eu viro atração na praia. Tem dias que eu gosto. Outros nem um pouco. Mas sempre fico imaginando: em um verão isso vai passar. Ou de tanto eles me verem de biquíni. Ou por que irão se dar conta... De que meu comportamento não vai mudar. 

Não sei se é certo ou errado. Só quero estar lá. Na praia. E de biquíni.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…