Pular para o conteúdo principal

Amor tem CEP ou IP?

Foi a Drika Cake que fez esse bolo lindo, veja outros aqui

Os tempos mudam tudo. Até a forma que nos relacionamos com as pessoas. Que se ama, digamos assim.

Hoje em dia não é difícil de ouvir das pessoas a forma mais atual de como conheceram os maridos. Adeus fila do supermercado, balada, festa de família, escola ou faculdade, CLJ... Há muito tempo o lance é a internet e seus aplicativos. E sim, eu aderi às novas modalidades faz tempo.

Na semana passada, minha terapeuta lembrou das antigas agências de casamento . Tu pagava para que uma pessoa buscasse possibilidades de acordo com o perfil pré estipulado por um candidato.

- Por favor, eu quero me apaixonar e casar por um homem alto, bem estabelecido, de nível superior, que goste de viajar, de aventuras, que não fume, mas pode beber socialmente. Ele não pode ter filhos, ou que tenha apenas um filho, mas disposto a adotar um ou mais crianças caso eu ou ele não possamos ser pais biológicos. O candidato tem que ter casa própria e que more sozinho. Prefiro homens negros, fortes e que goste de uma vida sexual ativa. De preferência, seu pênis não pode ser pequeno, ou seja, deve estar entre mediano e grande.

Eu não sei como as casamenteiras profissionais conseguiam atender a perfis tão exigentes assim. Mesmo assim, os casais se formavam. Alguns davam certo. Outros recorriam ao cadastro novamente.

Hoje em dia, a internet faz essa triagem para nós. As redes sociais, o Tinder e demais aplicativos, e sites de relacionamento, além de facilitar também fazem a pré seleção. A paquera já é mais objetiva, afinal, tu já sabe quais os gostos, afinidades, profissão e local de trabalho, quem são os amigos, a família, a formação educacional e etc. Não sei se gosto de tudo isso (e se também prefiro esse novo método), mas é uma alternativa. Certo.

Nesse final de semana, durante um aniversário, surgiu essa conversa. Lembramos e rimos de fatos que criamos com o 138 durante a adolescência; o falecido ICQ, que promoveu muito namorico virtual; as salas de bate-papo o UOL e Terra; os correios eletrônicos de jornais... Tudo movido pela carência afetiva das pessoas. E uma dose boa de sacanagem, claro.

Enfim, estou na pista. E utilizando métodos virtuais e reais. O negócio é ter resultados. Positivos, sensitivos, com delírios. Repletos de carinho, amor e tesão. O resto é o resto. <3>

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.