Pular para o conteúdo principal

"A vida é mesmo assim"



Há 20 anos, eu tinha 19. E a disposição de uma manada de elefante. Já estava na universidade, fazia estágio e trabalhava. À noite eu saia. Era época boa da Osvaldo Aranha, a avenida mais agitada, popular e cosmopolita de Porto Alegre. Era ali que as tribos se encontravam.

Aos domingos, o momento era para curtir o Brique da Redenção e o Mercado do Bom Fim, com seus bares, sorveteria, e reencontrar os parceiros da noite anterior, do Pub Cais, também do entorno. Naquele 1º de maio, um domingo de sol aquecedor, era dia de Fórmula 1. Dia ver o Senna cruzar a linha de chegada em primeiro lugar. Era a promessa!

Naquela madrugada, uma bebedeira juvenil me fez ver o mundo girar. Cheguei em casa, liguei a TV para esperar a corrida, que seria cedinho. Ao raiar. Mas adormeci. Só me lembro de sonhar. Sonhar com um acidente e a morte do piloto brasileiro, ídolo de todo o povo.

No início da tarde mais um encontro ao sol, com os amigos, foi registrado. No meio da conversa e relatei meu sonho esquisito, que, tristemente havia sido confirmado: Ayrton Senna do Brasil havia sido declarado morto, num acidente na curva tamburello em San Marino. De lá para cá muita coisa mudou: houve o primeiro impeachment presidencial, a eleição do primeiro governador de esquerda no RS, depois a eleição do primeiro presidente de esquerda. A economia se estabilizou, eu criei foco na vida e me formei.

Nos anos seguintes eu consegui meu primeiro emprego como jornalista graduada, fiz novos amigos, cursei um MBA, morei fora do Estado e sozinha, namorei. Amei demais, sofri por amor, troquei de emprego algumas vezes, mudei de sonhos, de planos e obtive algumas conquistas. Meu pai morreu e fiquei triste por meses. Voltei à Porto Alegre, viajei para Salvador (BA), duas vezes, reencontrei meus amigos. Troquei de emprego de novo, virei adepta do sexo casual, somei 10 tatuagens e dois piercings, viajei novamente, comprei um carro.


E lá se vão 20 anos, bem resumidos. Mas tem coisas que não mudam e nem se abrevia: como o racismo - agora, pessoas ditas civilizadas, educadas e inteligentes jogam bananas para outras pessoas num ato obtuso - e a morte. 

Comentários

Lê Fernands disse…
20 anos bem, bem vividos!

quanto ao racismo... vale tudo. a cor da pele vira comércio, duvidosamente em nome de um bem - amor ao próximo, onde a realidade é bem, bem outra!

um bj, minha querida.
aqui fica a minha admiração.
Lidia Ferreira disse…
Parabéns pelas coisa conquistadas e vividas.
Quanto ao racismo nem tem o que disser ! concordo com a Le
bjs
Gurias, obrigada pela presença sempre oportuna de vocês. Beijo no <3 de cada.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe