quarta-feira, 16 de abril de 2014

Transitando: Às vezes é assim...

Na  Linha 255, todo dia é dia de viajar em pé para casa


Quando não dou carona, divido o carro. Assim, todos na família conseguem trabalhar de forma confortável e com locomoção ágil. Sem falar na vantagem que o veículo de passeio traz para o lazer em família ou com amigos...

Isso tudo tem custo, claro. De repente, um pouco alto para uma só pessoa. Ou seja, para mim. Mas a autonomia tem seu preço. Seu custo e benefício. E nessa vida, às vezes, o resultado do progresso, da prosperidade, pode estar associado diretamente ao quesito econômico. Então não dá para reclamar. Não, não.

E, às vezes, é assim, como na foto. É ter que segurar no “corrimão” do ônibus, equilibrar a bolsa no ombro contrário, encaixar o corpo num espaço diminuto, e tentar se manter firme nas curvas acentuadas que o motorista do coletivo faz, mesmo no horário de pico.

O bom desses momentos é que não precisa ter atenção no trânsito. Pode-se dar margem à imaginação. Rever momentos de uma reunião, rir de situações bobas com os amigos ou com o afeto, ou afetos. Somente ouvir música e olhar o movimento pela janela, quando se dá a sorte de sentar junto a janela. Ou simplesmente distrair-se com uma conversa à toa com um conhecido ou desconhecido.


Tanto faz. Relaxa e goza - como diz o dito popular. “Tu” não estás ao volante. Amanhã a gente volta a surtar no trânsito intenso que vem se consagrando na capital dos gaúchos. Hoje, é dia de ser passageiro bebê!

2 comentários:

Jana disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
sem palavras

Cor de Rosa e Carvão disse...

Jana EXAGERADA Severo!