terça-feira, 15 de abril de 2014

Eu, adotada

Este post não tem foto e nem ilustração. Não tenho. As fotos remetem há um passado distante e não retratam mais a realidade. Já não tem carinho, já não tem amor, já não há contatos. Talvez, também não havia antes, mas a gente ama mesmo quem não nos tem afeto nenhum. A gente acredita em sentimentos refletidos em palavras vãs. A gente crê.

Dia 12 de abril foi uma dessas datas comemorativas, institucionalizadas sabe-se lá por qual motivo. Mas existe. Assim como o Dia do Índio, Dia da Árvore, Dia do Beijo, também tem o Dia do Sobrinho. Eu tenho. Tenho dois. Dois deles que se encontram perdidos ao vento da maledicência. E nessa altura do campeonato, sabe-se lá de quem também. Não importa. Não mais.

Há cerca de 20 anos, eu ensinava o mais velho a me chamar pelo nome. Não queria parecer velha demais para ser chamada de Tia. Hoje, quando, ocasionalmente, os vejo na rua, fico esperando ouvir a expressão desprezada por vaidade. Mas não. Silêncio. E rostos virados. Hoje, eu que sou desprezada. Pela mágoa. Ou raiva, gerada por um casamento desfeito, o descaso de um pai e o despeito de uma mãe...


Então, me restam os sobrinhos alheios. A simpatia de amigos que, com seus filhos e os filhos de seus irmãos, doam amor em forma de peraltices de crianças e rebeldias de jovens adolescentes. E assim sigo tia. Sentida... Adotada.

Nenhum comentário: