Pular para o conteúdo principal

Desligo e saio andando


Não dá. Por muitos anos não assistia a programação televisiva. Por vários motivos. Programação sem conteúdo, programas sem atrativos, profissionais desqualificados... Então aderi a TV a cabo. E a situação não é muito diferente não. Mas melhorou.

Só que não dá para ficar sem informação. Principalmente eu que sou jornalista. E a TV aberta é o que mais abastece as regiões com a programação e notícias locais. Também há o fato de que preciso fazer a leitura crítica e técnica do que passa na telinha.

É estranho eu não gostar de assistir televisão, mas gostar dessa função em torno desse veículo de comunicação. Ela abastece as rodas de conversas com os colegas e amigos e, também, contribuí para o aperfeiçoamento profissional, mesmo eu não atuando nessa área. No entanto é aí que recomeça a minha dificuldade. Ou resistência. Quase tudo é muito ruim...

Sempre adorei ver filmes, programas de comportamento e biográficos, seriados. Mas o melhor de tudo isso está na TV a cabo. Só que, como falei, não posso me restringir a somente isso. Então voltei a assistir TV. E nos finais de semana eu choro. Na maioria das vezes de tristeza. É muita vida se esvaindo em Porto Alegre, na região metropolitana, no Estado, no país, no Mundo.


Tu aperta o botão e entra direto em um velório ou enterro. Pior. Nas buscas de desaparecidos aéreos, de crianças desprezadas, de mulheres enganadas, de adolescentes marginalizados... Vê a esperança de familiares, a incredulidade de vizinhos e comunidades, e a descrença de socorristas perante a tragédia anunciada. Então eu choro... desligo o aparelho e saio de cena. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.