Pular para o conteúdo principal

Oi 2014, seja bem-vindo


Eu pisquei e 2013 foi embora. Fui ao banheiro, fiz um brinde, dei abraços, recebi felicitações, comi, troquei presentes e já haviam passado as primeiras horas de 2014. E hoje é o dia 2 do ano novo. E o que lembro é que não fiz o balanço de final de ano. Ao menos de forma concentrada, efetiva; apenas no divã da minha terapeuta. E, mesmo superficialmente, o saldo foi positivo.

Despeço-me de 2013 com muitas conquistas pessoais e profissionais importantes. Com a coesão emocional e sentimental estruturada na família. E com a certeza de que plantei o meu melhor em muitos momentos.

Nos últimos doze meses eu quis trocar de emprego: praticar o que aprendi, prosperar profissionalmente, ter um rendimento melhor e ainda buscar novos aprendizados. E consegui. E para manter as besteirinhas, ainda tive uns frilas. No ano que passou eu fui sorteada nos meus dois consórcios. Também voltei para o inglês, a praticar yoga e tentei buscar uma vida mais saudável... Tudo bem, isso eu não consegui, mas estou na luta.

Foram muitos os ganhos. Digo que, na balança, um acontecimento negativo colocou no mesmo nível todas as benfeitorias que os astros me destinaram. Mesmo assim, considero-os muito valiosos se ainda considerar o que eu tenho aprendido. Pouco a pouco, no ano velho, busquei me tornar um ser humano melhor. Acho que estou no caminho certo... As chances são boas.

Ao final de 2013, para ser aplicado ao longo deste ano, não me recordo de ter feito pedidos absurdos. Fiz apenas um. Parcimônia... Tá. Pensando bem, fiz um kit de pedidos, mentalmente. Quero temperança para conviver bons momentos com minha família, amigos e colegas. Capacidade para desenvolver bons projetos no trabalho. Ter uma convivência harmoniosa e produtiva com os colegas. Equilíbrio e inteligência para estudar. E paciência, muita paciência, e esperança... e amar e ser amada.

Na verdade, para este ano eu quero o que sempre quis. E um pouco mais desta vez. Muito pelo ângulo da ciência. Talvez quase nada pelo ponto de vista de quem tem fé. E eu tenho.


Comentários

Lidia Ferreira disse…
Pois e amiga são nosso sonhos e desejos que nos leva para frente nos mantem viva
Te desejo que seus sonhos se realizem
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.