Pular para o conteúdo principal

Ponto de Luz

     Há tempos procurava uma joia para por no nariz. Entrava e saia de joalherias atrás de um piercing que me agradasse. E nada! Nas lojas de tattoos muito menos.
     Já se passaram mais de dois anos desde que ganhei de presente meu primeiro acessório aplicado. Meu tatuador favorito, e tenho vários traços diferentes no meu corpo, que há anos mora em Curitiba, fez essa gentileza quando nos encontramos para matar a saudade. Adair e Rô, casal que descobriu o amor e apostou numa relação, então proibida, agora vivem bem e felizes. Ser testemunha e uma incentivadora torta dessa relação me faz querer vê-los quando tenho a oportunidade.
     Com o tempo, a pedra lilás do piercing que ganhei do Adair, escureceu. Parecia que nada havia ali. O que era para ser um Ponto de Luz, como chamam o tipo de brinco que gosto, estava mais parecendo um buraco negro. Precisava trocar.
     De repente, na galeria onde tirei “chapas” da minha arcada dentária, surgiu uma loja de tattoos e piercings. Uma coleção de brincos, de diversos modelos, figurava na vitrine. Entrei, perguntei e ali estava meu Ponto de Luz em ouro com zircônia. Lindo!
     Mas, não poderia ser diferente. Meu piercing não entra e sai, facilmente. De narina gorda, de cartilagem grossa, quase precisei de novo furo. Quase. Se soubesse que o questionamento dela se referia a dor, agulha e cateter teria ficado com o buraco negro. #sóquenão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].