Pular para o conteúdo principal

Obrigada!

Sou imensamente feliz. Tenho sido assim. Depois que a gente perde quem ama, se aprende a viver realmente e aproveitar todos os momentos possíveis. É assim que tenho vivido desde que meu palhaço partiu para outro picadeiro. Passado o choque inicial, a dor latente, o trauma, veio a certeza serena de que tudo nessa vida é passageiro, até mesmo a vida.

Parece que, então, deixei ser um pouco errante. Agora me dedico inteiramente aos meus amores. Meus bichanos, meus amigos, minha família, meu trabalho, minhas flores, meus sonhos e “mim”. Compreendi que a fé, a crença em mim e em seres divinos não é uma certeza apenas de momentos ruins. Eles estão em tudo. É como pó, como pólen. Sempre germina em qualquer circunstância e em qualquer tempo.

Também sei que tudo que nos acontece é o reflexo das nossas opções, do nosso modo de vida. Somos nós que procuramos sabe-se lá o que e de tanto buscar o conhecido ou desconhecido, encontramos. Então, não reclamo mais, profundamente, claro - por que reclamar é característica da minha personalidade -, apenas sei que tenho capacidade para resolver, assumir ou curtir, seja o que for. E têm coisas que a gente sempre quer repetir, eu ao menos, como sentir amor carnal, o amor emocional, visceral.

Tenho agradecido pouco, ultimamente, mas Deus e meus guias espirituais conhecem meus sentimentos. Eles sabem que estou satisfeita e contente por tudo que os astros, as energias positivas têm me proporcionado. Tudo que eles têm me alcançado e que sou imensamente grata por isso. Mas eles também devem saber que sempre peço mais, sempre quero mais. E agora meu pedido tem sido só um... Estou tendo êxito ainda. Então, obrigada!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.