Pular para o conteúdo principal

Bariátrica, 2007, 130kg


Sábado de sol. Como tem sido todos esses dias de outono. O que não significa que está mais quente ou menos frio. Não. Final de semana de temperatura baixa. Bem como turista gosta. A semana toda assim.

Minha mãe, que foge do frio como o capeta da cruz, não entende o que esse povo todo quer no meio do gelo do Sul do país. Tentei argumentar com ela que, se eu tivesse dinheiro, também faria o mesmo. Ou talvez o inverso. Ir para o Norte, procurar águas quentes. E ela sai com a mesma pérola: “Tu ia vagabundear também”. Ri. E concordei.

Foi nessa linha, que na semana passada, ao almoçar com uma colega, falamos do frio. Claro que comentamos que no inverno dá vontade de comer mais coisas gostosas. O que também significa ser mais calórico e, logo, engordante. Foi assim a refeição da gente, com o papo girando entre comidinhas para o feriado de Corpus Christi, vestibular, família e o frio. Até, claro, ela me revelar que já tinha sido gorda, no passado.

Sim. Minha colega já pesou 130 quilos. Um a mais que eu, hoje. Ela vestia calça jeans 54, tinha 35 anos e gastava uma fortuna em roupas tamanho especial. Porém, farta disso, e com o apoio do marido e das filhas, decidiu fazer a cirurgia bariátrica. Eu já havia terminado minha refeição e ouvia atenta tudo aquilo. Fiz-lhe várias perguntas. De curiosa mesmo.

Não estou pensando, nem de longe, numa cirurgia tão agressiva quanto esta. Penso que se a pessoa se submete a tomar água em copinho descartável de cafezinho, comer comida pastosa e gelatina, por meses, também consegue fazer uma dieta. O que não é o meu caso. Então, não vou correr o risco durante uma cirurgia invasiva ou durante o período de adaptação. Que leva no mínimo 12 meses.

Tem uma frase, aliás, uma fala que ela me disse que não sai da cabeça: “Acordei na UTI. Fiquei um dia lá depois da cirurgia. E desde que acordei da cirurgia até sair do hospital emagreci mais de 7 quilos. Mas é difícil, sabe, a gente que é gordinha continua pensando como gordinha, mas só que não pode comer”.

Hoje, minha colega veste calça jeans 40. Compra em lojas de departamento, o que antes nem na frente passava, e também come de tudo. Eu vi. Um prato bem considerável de arroz, feijão, saladas e carne, com refresco ainda. Ela é magra agora. E melhor, fez cirurgia só na barriga, embora não tenha ficado pelancuda.

Reafirmei a ela o que penso: Não preciso disso. Preciso sim me conscientizar de que devo, que é importante e saudável, fazer uma reeducação alimentar. Que se conseguir pensar e acreditar nisso, consigo fazer uma dieta séria e eficiente, sem culpas e sem exageros. Logo, conseguirei emagrecer os quase 70 quilos que minha colega perdeu depois de uma bariátrica.

Então, passei a sonhar com uma calça jeans número 40 de uma loja qualquer, dessas de departamento. Nem que seja comendo alface, desde que com prazer e vontade. #DificilEuSeiMasTenhoQueAcreditarNisso

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…