Pular para o conteúdo principal

A poucos passos de uma zorra

Sei os prós e os contras de uma paralisação. Já vivi isso várias vezes e vivo agora com a greve dos metroviários. Mas sou uma pessoa adepta aos movimentos populares, aos protestos organizados, civilizados e sem violência. Então, hoje pela manhã, acordei mais cedo e fui em busca de um lugar no ônibus, que com certeza estaria mais cheio do que nos demais dias.

Como sou comodista e prática também - afinal, antes pagar R$ 1,55 a mais do que ficar andando de um lado pro outro atrás de ônibus que não sei que horas sairia - optei de ir de executivo. No sereno das 7 horas, parecia que estava destinada a voltar para casa ou para uma reunião de última hora com o frila. Mas 5 minutos depois eu estava quentinha dentro do veículo, trocando mensagens e me acomodando confortavelmente no banco estofado, para uma soneca de 30 minutos.

Mesmo por esse pequeno incômodo pela manhã, o resto do dia transcorreu perfeitamente. Foi uma adorável segunda-feira. Porém devo confessar, já estava preparada para essa movimentação matutina. Sim. Essa paralisação, que parece que irá virar greve, estava programada há semanas. Houveram blitze dos metroviários pelas estações, falando das más condições dos trens, dos trens super lotados, da falta de manutenção da malha ferroviária e rede elétrica, da insegurança nas estações durante à noite, da defasagem salarial, principalmente.

Pra mim, funcionário satisfeito é sinônimo de serviço bem feito. Por isso apoio o movimento. E pela segurança de nós, passageiros, e deles, trabalhadores que nos atendem. Pela qualidade de vida no transporte coletivo e no ambiente de trabalho. Sei bem que foram 300 mil pessoas que tiveram que se virar para ir aos seus postos de trabalho. A maioria em atraso. Mas usuário do trem sabe bem as reais circunstâncias de trafegabilidade dos veículos e de trabalho de quem nos conduz, nos vende bilhetes e faz manutenção.

É hora de parar! Ao menos uma categoria com coragem busca por melhorias, por seus direitos. E ela está unida pelo Brasil também. Em alguns estados, a greve já dura há uma semana. Obviamente eu não quero que chegue a tanto assim. Meus vales não servem para uma empresa intermunicipal. Vai doer no meu bolso. É nessa hora que chegará o momento de agirmos com firmeza e em apoio aos grevistas, fazendo pressão social para o governo. Em algum momento há de ter fim esse movimento e que seja um acordo bom para todos. Antes que esse trem vire uma zorra total.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…