Pular para o conteúdo principal

Preto, gordo e cafajeste

Give me all your luvin'

Ando romântica. Na minha fase mais aguda, creio. Etapa que, acredito, antecipe alguma nova paixão ou amor. O que sei é que está tudo a flor da pele em mim. Super sensibilidade para o romance.

Talvez seja por isso que tenha comprado o DVD da Paula Fernandes. Estou ansiosa para que chegue. Pensei que teria a sorte de ter o produto nesse final de semana, assim ficaria extasiada em frente a TV, enquanto ela embalava my heart. Mas não. Fiquei curtindo as baladas do Grupo Bom Gosto mesmo, pela 15ª vez. Pagode mela cueca ou calcinha, também é bom para esse período.

Mas bom mesmo é um sambinha. Como canta Diogo Nogueira, a quem fui curtir na última quinta-feira, “eu sou partideiro”. Melhor que Partido Alto, só Samba Canção. No entanto, quem sabe cantar partido alto sabe tudo. E o sarara arrasa na belezura e no gogó. Como dizem as boas línguas: “Diogo herdou o talento do pai, João Nogueira, e a beleza da mãe”. Delícia!

E por falar em show, também estou esperando o CD da Madonna – MDNA. É o último álbum da cantora e comprei junto com o da Paulinha Fernandes. Segundo os críticos, esse trabalho da diva é baseado nos mais puros sentimentos e emoções relacionados ao fim de seu casamento. Como ela sempre cantou o prazer, majestosamente por sinal, nada mais natural do que ela cantar suas dores de amor também. Vou gostar: certo! Eu adoro um bom drama filmado, musicado ou escrito. E depois, vou treinando para quando dezembro chegar.

Mas, a boa da semana pra mim foi minha mais nova aquisição em termos de biografia. Vocês sabem que adoro biografias. Não sei de onde saiu tanto interesse na vida dos outros, assim como eu tenho. Já tenho Billie Holiday, Maysa, Bussunda e Charles Mingus. Sonho com a história não autorizada do rei Roberto – se alguém conseguiu comprar um livrinho desses antes de ser proibido, por favor, joga na rede, mas me avisa antes, pois eu quero. E também vou esperar baratear para adquirir a história do lobão. Mas o livro que sempre quis foi sobre Tim Maia.

Como quem espera sempre alcança - o Submarino tá com uma leva de livros de bolsos com o texto integral - agora eu tenho Vale Tudo: O Som e Fúria de Tim Maia. Na contracapa eu já sai rindo, afinal, o cara se autodefinia “preto, gordo e cafajeste, formado em cornologia, sofrências e deficiências capilares”... Precisa mais? Sim. E tem muito mais.

Nelson Motta:

“Minha filha ganhou um gatinho e contei a Tim que ela ia dar o seu nome ao bicho. Ele adorou: ‘Já sei, porque é preto, gordo e cafajeste!’ O gato era cinzento, magrinho e carinhoso, e só nos deu amor e alegria.”

Comentários

Juliana disse…
Eu AMO AMO AMO AMO o Tim.
Fina Flor, querida, eu também adoro o Tim. Estou adorando ler sobre ele. E aprendendo um monte sobre música. Delícia!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…