Pular para o conteúdo principal

Paquera nova, mesmo clichê

Sabe aquele frescor de primavera pela manhã? A mesma sensação me toma com uma paquera nova. Como agora. Sim. Estou fazendo zóinho para um gatinho. Ele é bonito, simpático e parece ser novo. E estou empolgada e na torcida para que ele me convide para sair, antes que eu mesma tome a iniciativa. É que apenas uma vez na vida - não, vou falar a verdade: apenas mais uma vez na vida -, o cara tenha postura e chegue junto – antes que eu mesma faça o convite. #SemPaciencia

Continuando... A paquera é recente. Tem apenas 15 dias e me tomou de surpresa. Mas, agora, sou rápida no gatilho quando o assunto diz respeito a sedução, paquera, cantada, logo senti as insinuações veladas para mim e retribui. Faz tempo que não pratico esse jogo e posso estar um pouco destreinada. Porém, pelo sim ou pelo não, aqui em casa só eu peço gás ou água mineral.

É people. Estou de novo num velho clichê. O entregador desses serviços piscou os cílios elegantemente para mim. Encantou-me. E se encantou com a nêga aqui, que estava toda cansada do dia de trabalho, numa noite de quarta-feira. Ao pedir uma água mineral, no domingo à tarde, lá veio ele, novamente cheio de charme pro meu lado. Gostei.

No segundo “encontro” eu estava ainda pior. Vestia uma bermuda lilás de algodão e velha, uma blusinha mais velha ainda, também de algodão e branca, que deixava minha barriga de elefante prenha a mostra. Os cabelos nem preciso dizer que estavam daquele jeito: em pé! Mas parece que ele gostou mesmo assim. Ou seja: tenho mais sorte que juízo. O gatinho manteve a mesma graça e sorrisos.

Na última sexta eu corri para casa a fim de marcar o terceiro encontro. Passava das 21 horas quando liguei para a distribuidora de água e gás para fazer um pedido. Chamado que fiz minha mãe retardar só para não perder a oportunidade de rever minha paquera. E lá veio ele. Todo querido e perguntando se havia demorado muito para voltar. Disse que sim, mas que não era problema, pois agora ele estava ali. E sorri... E ele também sorriu. E conversou mais do que o de costume. Estava eu sentindo o cheiro de flores novamente, sentindo a brisa da primavera no rosto e uma leveza no coração.

Ainda não sei o nome dele. Porém tenho o endereço, os telefones e o horário que faz na distribuidora. E que faz uns bicos no contraturno, além de outras “cositas mas”. E o guri sorriu desavergonhadamente ao dizer isso. Fiz-me de desentendida e calei-me. Com um sorriso doce no rosto, feito donzela. Ele então me deu mais uma opção de número para ligar e salientou: liga sempre que precisar que eu venho entregar. E foi embora. Levando o canto dos pássaros com ele.

Minha mãe, metida que é, foi para a janela ver o candidato a genro. Estragando minha despedida final. Quando consegui retirá-la de lá, ele já havia arrancado com a motocicleta de serviço. Suspirei pensando que levarei mais uma semana para poder pedir mais 20 litros de água mineral. E ver o gatinho... Dez minutos depois eu pensei: Será que já posso ligar? Posso?

Comentários

Gheni Elizabette disse…
É isso aí flor, vai nessa...Uma paquera é sempre muito bom, aproveita que é gostoso à bessa. Beijão
Gheni, queridona, que bom te ver guria. Saudades! Vou até te visitar. Bjocas
jana disse…
he he he
deixa que eu vou nessa casa tomar agua depois de uma ressacona que rapidinho vc tem que chamar ele....

e depois sou EUUUU que gosto da classe menos favorecida pela sociedade...
Jana, o problema é que tu fica iludindo os coitados. Eu não!!! Quero justamente o contrário.
Isso me faz lembrar de um encanador aqui de Videira..hauhauahua..

Sempre querendo unir o útil ao agradável, né nêga?
Rarará. Eu sou do povo! Mas tu tens razão, é bom demais ter uma paquera combo. Rá. #adoroclichês

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…