segunda-feira, 23 de abril de 2012

Beijo é tão bom...


O nome da minha cidade já foi Porto dos Casais. Tinha esse nome charmoso em alusão aos primeiros casais que chegaram de Portugal. Eles deviam ser românticos. Dizem as boas línguas, que a gente adota o comportamento e a cultura de nossas raízes geográficas também. Acredito...

E se não acreditar, de onde tiro essa alegria de ver um casal feliz pelas ruas? E a vontade de fazer par também, de algum pé de chinelo velho? Tá. Tudo bem. Isso está mais para carência do que influencia cultural. Admito. Mas vamos confessar que beijar é bom demais. Trocar carícias. Afagos. Andar de mãos dadas pelas ruas. Rir um para o outro feito crianças. Êta amor!

Hoje, já do lado de fora do trem, vi um casal num dos vagões. Eles davam um beijo tão apaixonado. Pareciam que estavam sós no mundo. E Estavam entrelaçados. Sorri com o coração. Faz tanto tempo que não vejo ninguém assim. Faz tanto tempo que troco nenhum beijo assim, também...

Pela manhã, também no trem, três pessoas conversavam distraidamente. Um cara bonito, uma mulher bonita e outra simpática. Confesso. Quando ele desembarcou, se inclinou para a bonita e lhe deu um selinho. Ela retribuiu e ainda disse: “Bom trabalho amor”. Que fofo.

Não cheguei a me surpreender, mas sinto falta de mais manifestações de afeto em público. Hoje em dia ninguém se toca, ninguém se abraça, ninguém se beija na frente dos outros. E beijar é tão bom! Parece que tudo tem custo, alto demais, penoso demais. Não acredito que seja assim. Não acredito que os relacionamentos tenham se tornado tão fúteis, frios, insensíveis, sexuais demais.

Rita Lee já musicou que “sexo é do bom, amor é do bem”. Então façam isso. Não precisamos optar entre um e outro. Precisamos é praticar os dois. Juntos, quem sabe...

2 comentários:

Silvia Angélica Palma disse...

Tá carente..... quando a gente fica olhando gente se beijando é porque estamos carentes....hehehe...e isso é uma merda heim...só pra te avisar...uahauhaua

Cor de Rosa e Carvão disse...

putz. Polly, ninguém nunca te disse que a ignorância é uma benção? agora estou em crise... rarará. vou ter quer ir ao pagode no findi, de novo, pra ver se rola beijo na boca, ao menos. não, não.