Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO DIETÉTICO: Meta cumprida!

Minha dieta funciona! Às vezes...
Minha nutricionista ri de mim. E ri dela também. Sim, por que com certeza eu sou o desafio, o grande desafio, literalmente, que a move em sua carreira no momento. Eu a procurei para emagrecer 36 quilos, mas apenas consegui manter meu peso no último ano. Ela, de inicio, me disse que era possível se eu me empenhasse, mas percebi que ela queria me levar para os 70 kg, ao invés da minha meta em pesar 95.

É sempre assim. Esse povo da saúde sempre quer mais. Mas ontem, ao ver o show da Maria Rita aqui no Anfiteatro Pôr-do-sol, em Porto Alegre, eu também quis pesar menos. Olhei aquele corpinho musical num macacão branco, lindo, e pensei: “queria ser magra só para usar um macacão lindo desses”. Descartei a ideia ao lembrar que não preciso ser tão magra como ela, pois já usei macacões na juventude. Quando era menos gorda, claro. Foi então que, num vislumbre, almejei os 70 quilos que minha nutricionista sonha que eu alcance.

Mas, por enquanto, a meta é menor. Bem menor. Emagrecer um quilo por mês. Óbvio que ela afirma que posso mais. Mas não quero me encher de expectativas que, talvez, não consiga cumprir. Por enquanto estou tentando equilibrar minha alimentação. Menos gordura e frituras, menos carboidratos, menos açucares e mais qualidade alimentar. Por enquanto estou buscando inserir a prática de um exercício físico no pouco tempo que tenho depois do trabalho. E, só por hoje, estou sem comer aquele pastel de forno delicioso ou o bolo de cenoura com chocolate, fofinho e saboroso, que diariamente me tenta no caminho para o trabalho. Só por hoje que é domingo [e ontem que foi sábado...].

Bom, mas voltando ao riso. Na semana passada fui na minha nutricionista. E, juro, um dia jogo a balança dela pela janela do 3º andar e saio correndo de lá, pra nunca mais voltar. Peguei aversão daquela balança. Mas dessa vez ela estava a meu favor. Então, não cometi nenhum desatino quando subi no equipamento. Desci e sentei, observando a nutricionista calcular os dados. Logo ela abriu aquele risinho do tipo: putz, ela me venceu de novo... E soltou o veredito: “Tu emagreceu 1 kg”. Claro que ela completou: “Mesmo com todos os teus exageros...”

Pronto. Estou sorrindo até hoje. ;)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…