Pular para o conteúdo principal

Era ali, bem no meio dos Jacarandás

Crédito: http://www.feiradolivro-poa.com.br/
Bons tempos de Feira do Livro de Porto Alegre, quando o Bar da Feira era apenas um bar que vendia cervejas. E gelada! E ficava ali, bem no meio da Praça da Alfândega e dos livros. Bem no meio dos Jaracarandás. Bem perto do espaço para autógrafos. Por isso era natural que escritores, jornalistas, publicitários, produtores, editores de livros, professores e estudantes bicho grilo, intelectuais, entre outros seres, parassem ali. Onde entre brindes, conversas e risos se organizava novos pontos de encontros, para logo depois do fim da Feira.

Era ali que ficavamos de olho em tudo. Com um olho no copo e outro nas pessoas. De repente, um grito vinha da mesa de trás, fazendo mais um chamado para o deleite de um happy hour já com lotação esgotada. De amigos que não se viam há semanas, de colegas que marcaram para relaxar do ambiente tenso do trampo, de gente que foi para paquerar e outros só para farrear.

Do Bar Bola 7 da Feira do Livro de Porto Alegre, creio que era esse o nome, tudo se podia esperar. Inclusive a cerveja. O pedido era feito, insistentemente, e dezenas de minutos depois ela chegava. Mesmo assim, os lugares ao final da tarde eram disputadíssimos. O garçom quase não conseguia alcançar as mesas mais centrais, de tantas cadeiras que ficavam pelo caminho. Não era raro ver uma cerveja passando de mão em mão até seu destino final.

Sem falar no garçom, que claro, era sempre o nosso preferido. O mesmo cara simpático que nos atendia nas noites de sexta ou sábado na danceteria. Já que o bar era administrado pelo mesmo dono.

Naqueles tempos era tudo uma delícia. Depois de passar de banca em banca atrás do livro há tanto almejado ou de ter encontrado a obra por um preço módico no balaio, o melhor estava tudo no final: Sentar à mesa do Bar da Feira, folhear com ansiedade o livro dos sonhos, sorver uns bons goles de cerveja gelada, conversar e rir com os amigos, ver o movimento e, ainda, sair de mãos dadas ou no aconchego do abraço da paquera. É. Bons tempos aqueles...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…