Pular para o conteúdo principal

Da pior espécie...


Eu sou o tipo mais vil de pobre. Aquele que fica contando as moedas do cofre para pegar táxi quando está atrasado. Pior. Eu geralmente saio atrasada de casa, só para não ter que utilizar o ônibus [ok, isso é mentira, pois saio atrasada por que sou atrapalhada mesmo]. Tudo bem, eu confesso! Gosto mesmo de sentar a bunda no banco de trás do vermelhinho e dizer ao motorista: “para tal lugar, senhor, por favor”. Reclinar-me para trás, confortavelmente, cruzar as pernas e usar o celular enquanto olho a paisagem urbana [menti um pouco novamente e é fácil de saber aonde...].

Também sou a pior espécie de desempregada. Aquela que escolhe o local aonde pretende preencher o currículo on line ou entregar o físico, para depois forçar a barra no “follow up”. Aquela redação onde todo repórter gostaria de trabalhar, pois o ambiente é super clean e cult, pois se trata de uma revista de cultura e comportamento. A sua revista favorita. Ou aquela multinacional, cujo gestor de comunicação recebe dezenas de vantagens ao colaborador, inclusive participação nos lucros. Ou ainda na produção do seu programa favorito no Multishow ou GNT. Sim, eu quero! Ou seja, se não for num desses lugares ou similares, não insistam, pois eu não estou disponível no momento.

Por fim, creio que também sou a filha mais usurpadora da face da terra. Aquela que olha pra mãe, num dos seus momentos subconsciente, com uma expressão meio entristecida e diz: “queria tanto definir meus cachos para levantar a minha estima...” Que, quase ao mesmo tempo, liga para a cabeleireira, agenda um horário, e durante os dias de espera para o dia de princesa vai liberando, em doses homeopáticas: “ah... se eu tivesse um irmão que me ajudasse com a cabeleireira...”, ou então, “de onde vou tirar dinheiro para pagar a cabeleireira se meu frila ainda não pagou?”.

E como num passe de mágica, vem aquela mão morena, toda enrugadinha, com uma oncinha nova. Inevitavelmente – e sem vergonha - os cantos da boca se levantam e digo: “Mamy! Tu pode melhorar um pouco mais a minha estima?.”

Comentários

jana disse…
kkkkk, só dona odete para cair no teu conto.
eu também precisava de umas luzes para aumentar a auto estima. mas tiver que arcar com essa despesa que custou mais do que uma onça.
he he he
gostei do teu resultado, ficou bacana.
qto ao jarbas o que posso dizer é que ele esta guardando o dinheiro dele para me seduzir no show do arlindo.
Hehehehe. Jana, os cachos me custaram um peixe, mas a diferença eu pendurei junto com o que já devia. A sorte é que amanhã recebo de um frila e quito as pendengas. Hehehehe. O cartão da tia tá na lista. Iupi!!!
jana disse…
kkkk
a ica nem vai acreditar
não é o da minha tia, sua desprovida de neurônios, mas sim o da tua tia. hehehehehe. bjo
jana disse…
kkkkk
não louca aquele cartão é MEUUUUUU.
e eu que fiz mechas loiras. putz, avisei.
acho que agora não vai rolar a grana.
he he he
Viu como rolou? Sou uma amiga honesta!!! Quando se tem, se tem. Quando não se tem, não se tem... Simples assim. Hehehehe. Até a cabeleireira paguei. MILAGRE!!!
jana disse…
kkkk
maldita hora que descobri que temos o mesmo gosto.
ontem iriamos ficar em casa, agora vamos nos jogar no cartao e curtir o arlindo

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…