Pular para o conteúdo principal

Pessoas!



Encontros. Tenho tido grandes e agradáveis surpresas ultimamente. Nessa semana especialmente. Na quinta-feira, ontem, fui ao centro da cidade trocar o Freddie Mercury. Ele veio com defeito de fábrica e o pós-venda da loja onde comprei, excelente por sinal, fez o serviço direitinho. Cheguei ao final da tarde no local, fiz os trâmites necessários, e sai correndo para não perder o Encontros com o Professor da semana, cujo entrevistado era o maravilhoso Ney Matogrosso. A mamy e a tia já estavam lá no Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo, com seus lugares garantidos desde às 17h45.
Apressada, sai de uma ponta do centro e fui parar quase na outra, rapidamente. Foi nesse momento que quase dei um encontrão num homem alto, grisalho, magro, que tentava ser discreto em sua circulação. Marcos Nanini saiu do hotel onde estava e entrou na farmácia ao lado, surpreendendo também as funcionárias do local. Com tempo gritaria “Lineuzinho” bem alto, pediria para alguém tirar foto e faria uma sabatina rapidamente. Mas o Ney vinha em primeiro lugar. Então corri para o CCCEV.
Ligações da tia informava que as chances de um lugar no auditório Barbosa Lessa seria quase impossível. Eu não acreditava. Insisti. Mas ao chegar ao espaço, ele já estava lotado. Sai de lá e fiquei pensativa em frente ao local sobre onde ficaria o tempo em que elas estariam lá, ouvindo a entrevista que Ruy Carlos Ostermann faria a Ney Matogrosso. Foi olhar para o lado e tive o segundo encontro do dia. Um colega dos meus tempos de estagiária, que hoje presta serviço ali, naquele exato local. Fui convidada a assistir o programa com ele. Aceitei. E, momentos antes conheci seu local de trabalho, revi mais um amigo das antigas, trocamos contatos, conversamos sobre nossas vidas.
Tudo parecia como se fosse ontem. Como se não houvesse um longo período de separação. Novos caminhos, acontecimentos de vida e de morte entre todos nós. Um momento efêmero, mas intenso. Fiquei feliz em rever pessoas que outrora fora mais que meus colegas. Foram amigos. Melhor ainda: saber que eles estão bem, felizes e curtindo o melhor que temos nessa terra – a vida!
Sai de lá com a promessa de voltar para outros eventos. E, no ponto do ônibus lotação, outro reencontro. O Dídio descia com sua careca reluzente e seu sorriso brincalhão, gostoso, em minha direção. Lembrei-me dele na hora. A gente estudava na mesma escola, ele namorou uma amiga de colégio, e nos divertíamos muito com nossos atos infanto-juvenis. Dei um abraço gostoso nele, e sem querer apertei sua tatuagem recente. Foi depois do grito de dor que ele me disse que tinha uma foto nossa no perfil do Orkut dele. Pensei: “Todo mundo tem uma foto minha e essa não deve ser menos ridícula que todas as outras que tiro”. Praga da Love. Porcaria de faceiríssima juvenil despretensiosa...
Anotei em um papel, meu email e celular e passei para ele. Atualizamos alguns temas de nossas vidas e seguimos livres. Eu, certamente, louca de faceira.


FOTO: Paulo Camargo/CCCEV

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…