Pular para o conteúdo principal

Diário Dietético: Cantar dos joelhos




Mais difícil do que emagrecer é não engordar. Eu já desisti de emagrecer e me preocupo em apenas não aumentar de peso. Controlo o que como, mas não sou neurótica [ainda]. Degusto um bom churrasco e tomo minha cerveja bem gelada com os amigos, de vez em quando. No entanto, durante o dia busco fazer as seis refeições do dia.
No mês passado havia recuperado 500 gramas daqueles 1,9 kg perdidos anteriormente. Não foi uma época boa para engordar, pois parei com a academia por 38 dias. Envolvi-me com o trabalho de tal forma, que não tinha tempo nem de malhar e pensar em dieta. Um erro, eu sei! O resultado disso verei nesta quinzena, quando retornarei a nutricionista.
O ponto positivo de tudo isso é que voltei a malhar na semana passada. Ainda não fui nesta semana. Provavelmente conseguirei ir a partir de amanhã, quarta-feira. Mas, para contrabalancear tenho ido a massoterapeuta. Sessões de drenagem linfática com massagem modeladora devem estar me ajudando a não aumentar as medidas, ao menos. E por conta disso vivo com uma garrafa de água ao meu alcance.
Poxa, quando não pensava em saúde e obesidade eu era muito mais feliz. A ignorância tem essa vantagem. Sem preocupações, cuidados, escolhas politicamente saudáveis e tal a agenda da gente fica mais livre pra tudo. Mas, desde que penso em qualidade de vida e bem estar, a coisa tem se ajustado. Passou a ser um compromisso ir para a esteira e levantar peso, comer corretamente e sem exageros...
E, por mais que escape dessa rotina vigilante que me impus, as terças-feiras estão aí para me lembrar de que preciso intensificar meu treino, minha dieta, meus cuidados com a saúde do corpo e do espírito. É hoje que tenho que encarar quatro lances de escadas para chegar ao apartamento da minha professora de inglês. A danada se mudou e no prédio novo não tem elevador. Subo os degraus de forma custosa e chego ao último piso, ofegante, reclamona e sedenta. Uma hora depois, desço a escada acompanhada de um som desagradável e constrangedor: o ranger dos meus joelhos.
Logo depois disso, corro para a Transpirar Saúde para uma sessão terapêutica do corpo. Fico com medo de subir na balança de acrílico ou vidro e quebrar o negócio. Também fico com medo do resultado que ela irá me mostrar. E também fico com medo do brilho nos olhos da Rosane, que vê em mim o desafio profissional. Eu bem que tento ajuda-la, mas, confesso: está difícil!

Comentários

Cintia disse…
Nega,
Chega de tantos Medos, a cada dia que passa você se supera e já estabeleceu para si uma meta de pelo menos não engordar mais, isso já um passo. Emagrecer será conseqüência além da sua meta para possivelmente também tornar-se objetivo!
Tenho certeza que negra e guerreira como és logo, logo nos contará ótimas novidades.
Alem do que o hábito um dia torna-se rotina e dessa forma coisas que atualmente te cansam, daqui a pouquinho não terão o mesmo efeito!
Tenho visto muitas Blogueiras prezando pela saúde e é muito bom ver que tu também embarcou nessa, qualidade de vida e de alma, fazem a nossa vida ficar cada dia melhor!
Além do que os seus joelhos vão agradecer e muito essas mudanças.

Uma ótima semana pra ti Negra do Sorriso Lindo!
Beijinhos...
Cintia
*cintok.blogspot.com*
Nêga disse…
Cintok [adoro esse nickname]: Teus estímulos são bálsamos ao meu espírito. Obrigada guria! Mas deixa eu te contar do meu sonho de hoje. Nele, eu engordei 500 gramas!!! Bá, tchê!!!
Bjo

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…