Pular para o conteúdo principal

Aqui todos são faca na bota!!



Os comerciais do grupo Zaffari e Bourbon sempre me emocionam. Aliás, a agência de publicidade que os atende trabalha bem esse aspecto. A emoção!

Esse filme é antigo. De 2009. Mas não tanto quanto o Movimento Farroupilha, que durou dez anos [entre setembro de 1935 e 1945], se não me engano. Como todo conterrâneo, tenho orgulho de ser gaúcha. Mas a revolução, que tem como referência o primeiro ano do movimento, me deixa ora "revoltosa", ora orgulhosa.

Não sei bem se essas expressões revelam bem o que sinto. Por isso vou explicar. O momento era de decepção por causa da displicência imperialista com o Estado gaúcho e seu povo. E agarrido e bravo como somos [o hino foi composto durante o movimento], não demorou para os coronéis buscarem na ponta da foca o que achavam serem seus de direito. Só que, para ajudar nessa conquista, colocaram no front quem? Os lanceiros negros!

É. Para conquistarmos a liberdade [meu Estado natal foi um dos últimos a abolir a escravatura, ao que me lembro...], meus antepassados negros lutaram na guerra dos grandes, dos sinhozinhos. Os lanceiros só sabiam que, ao final de tudo, e se ainda estivessem vivos, ganhariam a alforria. Muitos não puderam sentir o gosto da liberdade. Ou por que morreram ou por que foram enganados...


Talvez devesse sentir orgulho duplo. Afinal, os negros lutaram por liberdade numa guerra que não lhes pertenciam. Mas cumpriram sua parte. Orgulho duplo por hoje ser uma afrodescendente nesta terra, graças aos seus feitos do passado. E que aqui, na ponta do Sul do Brasil, independente da raça ou da etnia, todos são faca na bota.

Comentários

jana disse…
tem recado no msn. entra lah.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].