Pular para o conteúdo principal

A Lua e eu



Eu já peguei a Lua na mão. Em uma mão apenas. Na verdade, entre dois dedos: o indicativo e o polegar. Outrora, toquei-lhe a face arredondada e nem senti suas crateras. Para mim, ela, realmente, é achatada, fria, embora exuberante em sua luminosidade. E exerce influências sobre mim...

Curiosamente ela não é feita de queijo. Mas de vidro fumê. E só consigo essa proximidade com o satélite natural quando viajo à noite. De ônibus. É em qualquer momento do trajeto que sinto meu olhar sendo atraído para a janela. Abro a cortina velha, poeirenta e fedorenta e lá está ela - resplandecente.

Para garantir que ela está pertinho de mim, estico a mão direita. Raramente à esquerda. Quase nunca, creio... Nesse êxtase, nem percebo quando ela começa a fugir de mim, ficando para trás. Logo ela muda a situação, acelera o passo e corre atrás do meu toque.

Ao nosso redor está apenas a paisagem bucólica e noturna. Iluminada por seu esplendor seguimos num romance sem testemunhas. Ninguém dá valor à Lua por detrás do vidro. Só eu fico alerta nesse romance. Às vezes uma e outra lâmpada incandescente de algum vilarejo tenta interromper nosso clima. Mas é difícil...

É nesse amor imperfeito que sempre volto para casa. Bem cuidada. Bem acompanhada. Até com trilha sonora. O namoro só acaba quando as árvores cedem espaço às torres de concreto e o baque seco dos freios anuncia a parada final num Box qualquer da estação rodoviária. Então, a passos firmes, desço sem nem olhar para trás.

Comentários

jana disse…
é, gosto muito da lua também...
ela foi minha companheira em muitas noites em que passei acordada, olhando a vida passar pela janela e não tinha com quem conversar,
literalmente falava com ela
GORDIVINAS! disse…
Oi querida, você deixou um comentário nos meus DESAPEGOS sobre um Peep Toe. Eu não vejo os comentários do blog, por isso sempre peço para entrar em contato por email. Ele é 39 e está saindo do meu pé (calço 39 e tenho o peito do pé alto). Sobre saber se alguém já comprou comigo, claro que sim, mas por questão de ética não divulgo as pessoas, a não ser que elas queiram. Está a disposição caso queira.
Beijossss
Jana

Te entendo!

Flaviana

Obrigada pelo contato. Vou enviar email já!

Bjo

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].