sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Elas falam demais!







Agora é uma constatação. As mães falam demais. Parece que é uma sede incessante de tal gosto. Algo automático. Basta um olhar para elas ou apenas sentirem a nossa presença que começam a descarregar centenas de palavras, às vezes, sem sentido. Tudo isso pra cima da gente. Os filhos!

Não sei se faz parte da maternidade, se são treinadas, desenvolvem com a idade ou é apenas um dom natural das mulheres. Alugar os filhos com assuntos novos ou velhos, tanto faz, lhes dá um prazer incrível. Dá para perceber isso na hora.

Meu papel nesses momentos é apenas um: ouvir! Entre uma respirada ou outra dela eu tento introduzir algumas palavras minhas. Para travar um diálogo, sabe? Porém, logo sou vencida pelo respeito que nos é peculiar na hierarquia familiar. Acabo cedendo e volto a ouvir, paciente.

De repente, levanto os olhos; esboço um sorriso; pronuncio sussurros ou expressões prontas. É o estímulo que a mãe espera para continuar com o falatório.

Num encontro etílico com a amiga Jana, ontem, confirmei o que já sabia. Elas adoram falar. A falastrona dela entra em êxtase quando vê algumas reações do tipo que citei a pouco. De certo, Dona Marli, quando ouve uma perguntinha de interesse da parte da filha também vibra. Do mesmo jeitinho que a minha reage. Feliz!

Atualmente vivo um momento difícil... É duro admitir, mas, quando a ausência desse som ininterrupto fica perceptível demais, sinto falta. Sim. O zumbido, apenas ele, é mais forte agora.


No momento, a minha mãe anda gastando saliva e palavras em outra vizinhança. Repetindo o assunto feliz com as outras. E como não quero interromper o seu principal hobby darei um chego lá. Só para conferir a qualidade da conversa. Matar a saudade. Mas logo volto correndo, pois, se um elefante incomoda muita gente, dois elefantes, três elefantes, quatro elefantes incomodam muito mais...

7 comentários:

jana disse...

kkk
minha mãe agradece
não disse antes mas adorei a frase "com possibilidades"
então agora vai ser assim
vou me "possibilitar" mais
kkk
bjoca

Cor de Rosa e Carvão disse...

Jana, querida, tu não precisa se possibilitar mais... do que já é. Hua hua hua! E começo a odiar sair contigo. Os olhares [ou possibilidades] já não são mais meus.

jana disse...

assim você me ofende.sabe que eu fico na minha sempre...me comporto até demais bjoca

Dois Rios disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dois Rios disse...

Tá, entendo! Mas como já fui filha e agora, digo, há muito tempo sou mãe, tenho cabedal para dar pitacos em ambos os lados. Mãe fala muito mesmo. Principalmente quando não é solicitada, rs. Mas convenhamos, carvãozinho, vocês, filhas, só querem ouvir o que lhes apetece. Se o assunto é de seus interesses, ótimo, a mãe pode ser verborrágica que não tem problema.... mas se mamy acenar para um assunto que mexa com o calo das filhotas, aff!!! é tempo feio na certa!

Mas, como você mesma disse elas, mães e filhas, não vivem sem o burburinho uma da outra.

Beijos muitos minha doce e amada carvãozinho,

I.

Cor de Rosa e Carvão disse...

Jana

Não era para ofender. Apenas de ressaltar que tu tem esse mel, essa coisa natural, esse sex appeal, que é só teu. Pronto, falei! [Ah: e é uma merda para concorrência. Hehehehe]

Bjo

Riacho Doce {Inês}

Tu tens absoluta razão! Mas, como sempre, vou puxar a brasa pro meu achado. Estratégia ou psicologia de filha. Engodo, talvez. Ou pura sem vergonhice. ;)

Bjocas

jana disse...

nega cadê vc
volta para nós