Pular para o conteúdo principal

Simples assim!



Hoje o frio deu uma folga para nós, gaúchos. Depois de viver meio inverno em Porto Alegre, no ano passado, esse está sendo de renguear cusco - mesmo! Tanto que me faz contar os meses para a primavera chegar. O bom é que dos três meses da estação, faltam apenas dois.

E passa rápido. O tempo se comporta assim quando começamos a contá-lo. Efêmero. Brincalhão. Daqui a algumas semanas eu completo 12 meses do retorno ao lar. E parece que foi ontem...

No contratempo está meu momento atual. Em maio eu me declarei desempregada e isso parece uma eternidade... Talvez seja por que estava vivendo meu ano sabático. E dele, pulei direto para a busca pelo lugar ao sol. Daí me dá essa impressão: de uma eternidade.

Mas, na verdade, não posso reclamar. E não estou. Afinal, nesses dois meses não tenho me empenhado para tanto. Encaminhei mais currículos e participei de seleções em número maior no primeiro quadrimestre do ano do que nos últimos 60 dias.

Em compensação tenho feito muitas outras coisas. Tido outros cuidados comigo e os meus, que em nenhum outro momento me seria possível. O que me deixa tranqüila. E feliz! É. A felicidade tem dessas coisas de deixar a gente boba [e faceira] com a simplicidade da vida.

Comentários

Gaúcho disse…
Coisa boa o calorzinho dessa semana, não? Vamos combinar, com um frio desses não dá pra ser feliz! Sabe que quando a massa fria chegou ao Estado, encontrei um bilhete na minha cama, logo que acordei, dizendo:

"Flavio, vamos sumir por uns tempos. Quando esquentar, voltaremos.
Ass: seus testículos"

Por precaução atei uma cordinha na ponta da fimose. Sabe como é, precisamos urinar.

É isso.

Abraços, Carbonífera.
Nêga disse…
Gaúcho

Tu me diverte pacas! Tenho um amigo que mora em SC e lá as marcas ficam abaico de zero, sempre. Ele me disse essa semana que não vê o pinto dele há tempos... Hehehehe. Pior, é que o "amiguinho" nem bilhete deixou. Foi embora e ponto. Viu? Sempre pode ter casos piores. Hehehehe
Gaúcho disse…
Minha amigona, com relação ao que você escreveu lá no meu blog, tenho que comentar.

1) Eu não sou poeta (nem tenho pretensão)
2) Tem tanta merda por aí, eu vou escrever as minhas também.
3) Eu sou meigo, sim. E bonitinho!
4) Gosto muito de você, flor de ébano.
5) Flor de ébano foi o fim da picada.

Beijos, Carbonífera
Gaúcho disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.