Pular para o conteúdo principal

Diário dietético: Frida e eu...



Depois de alguns dias na UTI veio o diagnóstico: re-formatar! Autorizei o conserto e a Frida Kahlo voltou para casa três dias depois da cirurgia. Pela segunda vez... Mas, desta vez, a recuperação durou pouco. Menos que 24 horas! Na verdade, meu netbook deu o último suspiro... A melhorada antes do “the end”.

Esse é o motivo pelo qual tenho postado pouco por aqui. Mantenho uma relação de amizade com minhas máquinas. De estima, intimidade... Não é à toa que meus lap tops têm nome. Os batizo sempre no primeiro login.

A Frida Kahlo estava com os dias contados. O acidente em julho passado (2010) a deixou com seqüelas graves. E acho até que durou muito depois que ganhou aquela cicatriz em sua face. Mas, sinceramente, esperava que ela me acompanhasse por mais alguns meses. Ao menos até o final do inverno. Mas não pode agüentar e eu entendo...

Agora voltei a usar o Lacraia. Ele sim se mantém firme e forte. E depois de uns deletes em alguns programas, ficou até mais ágil. Não tenho mais do que reclamar. Mas eu vim aqui para contar outra história. Hoje fui na nutricionista. Achei que seria muito boicote a mim mesma desmarcar a consulta, sendo que nem fechei os 90 dias de tentativa ainda. E fiz bem.

Estou 1,9 kg menos gorda. Ufa! Nem acreditei quando ela me disse. Entrei no consultório dela resoluta a assumir minha gula e ansiedade, em assumir as novas gramas somadas. Conversei, conversei, preparei-a para a possibilidade das 400 gramas a mais no mês passado ter ganho mais amigas. E quando ela pediu para subir na balança, lá fui. Com medo, mas fui. Desci do equipamento olhando para o rosto dela, tentando decifrar seu olhar sobre os números, que ficou ali até os dados se apagarem automaticamente.

Ela pegou a calculadora, somou, subtraiu e coisa e tal e fez anotações na ficha. Depois, com um sorriso do tipo “ela tem mais sorte do que juízo” me deu o resultado. Respirei aliviado aquele número. Feliz. Sorridente. Em gozo! E corri para casa para comer uma panelada de pinhão, que minha mãe ficou cozendo.

Comentários

jana disse…
que legal
então vamos beber para comemorar
Juliana disse…
o que é pinhão?

olha, eu tô ansiosa com a minha visita. já medi a minha barriga umas cem vezes. perdi 2 cm e tô achando pouco. na balança, nunca tem diferença.

Menina, hoje foi o dia do meu deslize. Comi um monte de besteira, aí me senti uma merda. Só sei uma melhorada depois que minha vó me convenceu que todo mundo que faz reeeducação tem dias de deslizes.
Já sacou que tô me identificando demais contigo nesse teu diário dietético.
Gabi Rosa disse…
Uhuuuu! Qquer graminha a menos é sempre motivo pra comemorar! Mas comemore comendo coisas saudáveis... rsrs

Força pq a luta é nossa!

Bjinhos Amada!
Elaine disse…
Jana

Hehehehe. Uma Polar Bock até que cai bem com esse frio. Delícia!

Jú Fina Flor

Guria, acho que estou te apavorando a toa. Não vai atrás de mim que é furada, hehehe. Ouça a voz da experiência da tua avó. Deslizes acontecem.

P.S.: Medidas reduzem e isso é muito bom. Creio que até melhor do que eliminar peso...

Gabi

Vou persistir guria. Preciso! Mas nada mais de neuras agora. Hehehehe.

Beijos gurias

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…