domingo, 15 de maio de 2011

Gente mala no domingo de manhã!




Gente que se acha é muito chata. Definitivamente! Além disso são ignorantes, grosseiros e mal educados. Não entendo por que esses espertalhões se gabam tanto, se não detém conhecimento...

Hoje foi dia do Concurso dos Correios em todo o Brasil. Milhares de pessoas, alguns preparados, outros nem tanto [como eu], disputavam uma vaga no serviço público. Eu tava lá, entre menos de 50 candidatos na sala, apenas, por que 17 decidiram não ir ou tiveram contratempos. Melhor para mim.

A prova, que tinha horário marcado para iniciar às 9 horas, teve 15 minutos de atraso. Antes disso, ainda na fila de identificação na porta da sala 26966 do prédio 1 da FAPA, uma fiscal entregava sacos com fecho adesivo para que pudéssemos lacrar celulares [desligados, claro], laptops, MP3, relógios, agendas eletrônicas, pen drive, chaves com sistema eletrônico, lápis, lapiseira, borrachas, canetas que não fossem de tinta pretas e em embalagens incolores e etecetera e tal. Muitos deles, aliás.

Já sabia de tudo isso, por que leio editais. Por isso sabia que a prova era no sistema Certo e Errado e organizado pela UNB Cespe. Os concursos e seleções deles são rigorosíssimos, sérios, criteriosos. Uma vez que se faz uma prova deles, nunca mais se esquece. E mais, se pensa muito antes de se inscrever novamente. Eu pensei e assim que decidi fazer o Concurso dos Correios me achei louca.

Enfim, na sala, o cara [chefe da sala] leu todos os “nãos”. Óbvio que o cara sem gracinha da fila de entrada criou, melhor, tentou criar caso de novo. Dessa vez com mais ênfase. Sentada na primeira cadeira da quinta fileira [era pré definido os lugares], não resisti em olhar para traz para confirmar a cara do “se achão”. Ele mesmo, o Kojak portoalegrense.

- Eu estou acostumado a fazer concursos e nunca vi que não poderia usar caneta azul.
- Mas não pode. O senhor terá que conseguir uma caneta preta com embalagem transparente.
- Ela não pode me emprestar a dela? Apontou o chato para a uma das fiscais, que assistia a cena de longe...
- Não. Não pode! Disse, pacientemente, o chefe dos fiscais da sala. E ainda completou: - Pessoal, tudo que estou lendo e dizendo aqui está publicado no edital.

Mesmo assim, o cara continuou com o lero-lero. Até que colegas de classe ficaram de saco cheio e disseram, quase que em uníssono:

- Todos os concursos da UNB Cespe são assim e nenhum pode usar caneta azul ou de outra cor que não seja preta.

Pronto! O chato calou a boca e ainda ganhou, de um concurseiro bonzinho, uma caneta preta para fazer sua prova. Ufa! Difícil de acreditar que um cara experiente como ele, em certames, seja um concorrente que deva me preocupar. Ah, isso não!

2 comentários:

Silvia disse...

E ai foi bem no concurso?

Cor de Rosa e Carvão disse...

Não sei... Estudei e só consegui ter a certeza de que não deveria responder as questões. Hehehehe. Estou torcendo para que os 23% de abstenção na manhã tenha sido dos cabeções... Aff!