Pular para o conteúdo principal

Gente mala no domingo de manhã!




Gente que se acha é muito chata. Definitivamente! Além disso são ignorantes, grosseiros e mal educados. Não entendo por que esses espertalhões se gabam tanto, se não detém conhecimento...

Hoje foi dia do Concurso dos Correios em todo o Brasil. Milhares de pessoas, alguns preparados, outros nem tanto [como eu], disputavam uma vaga no serviço público. Eu tava lá, entre menos de 50 candidatos na sala, apenas, por que 17 decidiram não ir ou tiveram contratempos. Melhor para mim.

A prova, que tinha horário marcado para iniciar às 9 horas, teve 15 minutos de atraso. Antes disso, ainda na fila de identificação na porta da sala 26966 do prédio 1 da FAPA, uma fiscal entregava sacos com fecho adesivo para que pudéssemos lacrar celulares [desligados, claro], laptops, MP3, relógios, agendas eletrônicas, pen drive, chaves com sistema eletrônico, lápis, lapiseira, borrachas, canetas que não fossem de tinta pretas e em embalagens incolores e etecetera e tal. Muitos deles, aliás.

Já sabia de tudo isso, por que leio editais. Por isso sabia que a prova era no sistema Certo e Errado e organizado pela UNB Cespe. Os concursos e seleções deles são rigorosíssimos, sérios, criteriosos. Uma vez que se faz uma prova deles, nunca mais se esquece. E mais, se pensa muito antes de se inscrever novamente. Eu pensei e assim que decidi fazer o Concurso dos Correios me achei louca.

Enfim, na sala, o cara [chefe da sala] leu todos os “nãos”. Óbvio que o cara sem gracinha da fila de entrada criou, melhor, tentou criar caso de novo. Dessa vez com mais ênfase. Sentada na primeira cadeira da quinta fileira [era pré definido os lugares], não resisti em olhar para traz para confirmar a cara do “se achão”. Ele mesmo, o Kojak portoalegrense.

- Eu estou acostumado a fazer concursos e nunca vi que não poderia usar caneta azul.
- Mas não pode. O senhor terá que conseguir uma caneta preta com embalagem transparente.
- Ela não pode me emprestar a dela? Apontou o chato para a uma das fiscais, que assistia a cena de longe...
- Não. Não pode! Disse, pacientemente, o chefe dos fiscais da sala. E ainda completou: - Pessoal, tudo que estou lendo e dizendo aqui está publicado no edital.

Mesmo assim, o cara continuou com o lero-lero. Até que colegas de classe ficaram de saco cheio e disseram, quase que em uníssono:

- Todos os concursos da UNB Cespe são assim e nenhum pode usar caneta azul ou de outra cor que não seja preta.

Pronto! O chato calou a boca e ainda ganhou, de um concurseiro bonzinho, uma caneta preta para fazer sua prova. Ufa! Difícil de acreditar que um cara experiente como ele, em certames, seja um concorrente que deva me preocupar. Ah, isso não!

Comentários

Silvia disse…
E ai foi bem no concurso?
Não sei... Estudei e só consegui ter a certeza de que não deveria responder as questões. Hehehehe. Estou torcendo para que os 23% de abstenção na manhã tenha sido dos cabeções... Aff!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…