Pular para o conteúdo principal

Diário Dietético: Persistência!



Minha amiga Jana disse-me que nunca concluo o que começo. E ela tem razão. Depois de um pouco mais de 30 dias de dieta, já estava pensando em desistir. Aliás, havia desistido já na primeira semana de abstinência. Por isso que, ao me pesar no consultório da minha nutricionista, na última quinta, pesava 400g a mais.

Senti vergonha. Eu, uma mulher, uma pessoa adulta, pagando mico na frente da profissional de saúde. E o pior: que eu mesma tive a iniciativa de procurar...

Novamente ela me mostrou as fotos do antes e do depois da sua cliente. Tentou m e motivar. E senti aquela vontade de novo, crescendo. Na verdade, ela ainda existe dentro de mim bem forte. Mas, o problema é que me dou prazer demais ao comer.

No primeiro encontro, a moça me disse que poderia comer de tudo, mas que teria que reduzir a quantidade de uns e trocar outros alimentos. O problema é que eu pensei que tivesse reduzido a quantidade de alimentos, ao fazer as seis refeições ao dia. Ledo engano... Eu tava era comendo tudo que gosto, em mais vezes ao dia, isso sim. E trocando quase nada.

Enfim, vitória para a gula e a ansiedade nesse primeiro momento. A moça me deu mais 30 dias. Achou positivo eu estar malhando e que se tivesse ociosa, com certeza esses 400g seria 2kg. Daí seria para ficar careca de raiva de mim mesma... Por isso, no final do próximo mês eu volto lá para enfrentar a balança.

Pôxa, vendo aquele quadro do #ShowdaVida, Medida Certa, eu quase tenho um enfarto. Primeiro ao ver do Zeca Camargo, com quem me identifico por demais, tendo que malhar feito bicho naquela esteira. Depois, quando ele tem que abdicar da bebida alcoólica e da carne vermelha [gorda]. Daí aparece um ou uma qualquer na rua, dizendo que também esta fazendo a dieta junto com ele e a Renata Ceribelli [que está desgastadinha...] e que já emagreceu muito mais que os dois juntos, num curto espaço de tempo. É o fim da várzea, meus amigos!

Mas tudo bem. O negócio é colocar força na peruca e seguir em frente. Porque, ao que parece, atrás sempre tem gente.

Comentários

uauahuha...por isso que não voltei na minha nutricionista.....pra não correr esse risco....

Guria...esses dias ví uma foto minha enquanto fazia um cerimonial que era de chorrrarrrrrrrrrrrr.....um quadril do tamanho do mundo....uma papada imensa...pelamordedeus.....

Lindinho o teu cabeçalho alí em cima...meigo.....

Já se inscreveu pro concurso?
Nêga disse…
meigo né? estava esperando meu amigo instalar o Corel para eu poder fazer. agora quero por tirinha de fotos em todas as minhas redes sociais. hua hua hua.
Gaúcho disse…
Acho que fazer regime é pior que parar de fumar. E olha que sou ex-fumante. Ainda bem que tenho esse corpinho de bailarino espanhol, mesmo aos 43 anos. Você deveria ser Espírita, sabe? Nós, os espíritas não nos importamos com essa vaidade. O corpo é apenas a casa da alma. Claro que algumas "casas" são maiores que outras, mas, enfim, temos outros valores. Cof..cof..

Beijos, Carbonífera!
Nega disse…
Meu querido Gaucho

Sim! Tens toda a razao. Parar de fumar foi infinitamente mais facil para mim do que esta sendo fazer dieta. E deveria ser Espirita mesmo. Mas, por enquanto, so garanto ser espiritualista. E esse nicho sofre com seus valores... Hehehehe.

Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…