Pular para o conteúdo principal

Quase um estranho

by Ruy Carlos Ostermann


O aniversário de Porto Alegre passou por mim docemente, não fiz um gesto especial nem me atrevi a uma fala demasiada sobre essa nossa jovem cidade. Passou por entre as minhas mãos, alojou-se num pé, correu pela perna e, vez por outra, me trouxe um calafrio que não era de susto, nem de ansiedade, mas simplesmente de estar ali, na esquina, diante do prédio, as pessoas ao redor e mais à frente, todo mundo com muitas tarefas numa semana tão especial. Mas que passou pelas pessoas como passou por mim como um episódio demasiadamente pessoal e por isso intransferível, uma experiência para dentro, que são as únicas que têm profundidade e não voltam se não sob outra forma, dissolvidas, numa nuvem imperceptível. São as emoções, os acontecimentos pessoais, o silêncio da experiência, qualquer que seja, não importa o rumo, só tem importância o fato em si mesmo, sem correspondências. Foi como fiquei na Rua da Praia num dia desses das comemorações. E fui para o Mercado Público, dei voltas, encontrei pessoas, parei numa banca, espiei as primeiras mesas do Gambrinus, cumprimentei os garçons e tive de seguir em frente como um visitante, quase um estranho, sem cidade, sem paradouro, sem conhecidos, um ser muito solitário em meio a tantas pessoas. O aniversário passou assim.


[Faço minhas - com a sua licença professor, ou não -, as palavras desse espetacular escritor e jornalista]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ode aos detalhes do cotidiano

Porto Alegre, 6 de julho de 2018.
Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.
Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.
Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.
Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?
Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti n…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.