Pular para o conteúdo principal

O último Carnaval com Chico Science


Publicado em 05/03/11 - 20:03

*Por Xico Sá

E hoje na psicodelia da manhã do carnaval recifense, veio a cena completa dos carnavais da era Chico Science…

Cascos, caos, cascos, caos… o cientista do som desce o elevador do edifício Capibaribe, sétimo andar, de frente para o rio, rua da Aurora, onde habitava, na companhia do jovem expressionista Doctor Mabuse, o mesmo apartamento. Science tira um som dos cascos de cerveja que trocaria, ali na barraca de dona Edna, por garrafas cheias da espuma flutuantes dos mares nunca dantes, cascos, caos, cascos caos… Porque assim como não se banha duas vezes no mesmo rio, como no preceito hindu, um homem de talento nunca bebe a mesma cerveja, em cada uma tem um novo segredo, uma nova espoleta de idéia na espingarda soca-soca do juízo.

Multicoloridos, cérebros, multicoloridos… Cascos, caos, cascos, caos… Lá vem Science descendo do seu castelo alto com um coco dub ralado no pensamento, vai comer aqui ou quer que embrulhe para você comer pelas beiradas dos ouvidos no resto do mundo?

Recife estava no maior rato, gabirus nos armários e bueiros a comer os gloriosos farelos de açúcar do passado, gabirus a roer até a ferrugem dos navios que ancoraram na história, a história que também já devorava, àquela altura, os roedores de holandas e olindas restauradas, os ratos punks que pareciam implorar, como no mantra sagrado, FAÇA VOCÊ MESMO, ei, ei, você ai,mago, vamos mudar esse vento demorado que varre a cidade com a gigante piaçava do tédio.

Cascos, caos, cascos, caos…

Quando Science & Nação Zumbi botaram os pés no chão, o compasso de Capiba uniu-se ao Jazzmatazz, fiat lux, o cheiro do mangue misturado ao cheiro de bolacha que a brisa tange sobre o rio para a gente tomar com café da tarde na Aurora, pense!

Nunca mais a cidade do Recife seria a mesma. Naquele instante João Cabral de Mello Neto, que odiava música, dançou frevo-flamenco, Bandeira perdeu-se em rondós e mafuás de malungos, cai cai balão e queima toda a pasmaceira, Recife, não a Veneza Americana, mas a das festas do Mauristtssatd, do bar do Grego, do Frank´s Drinks, da Soparia e também daquele velho navio que pegava fogo para a gente comer o peixe assado das possibilidades futuras, ali sob âncoras de Brasília Teimosa. Nunca mais Hellcife seria a mesma, até Ascenso Ferreira, depois de comer um de-tudo-um-pouco no Buraco de Otília, ali na mesma área, soltou um desavergonhado peido poético de fazer inveja a Oswald e Mário de Andrade.

Science, aqui como símbolo-mor representante de todos que fizeram juntos o jazz-gréia do fim do mundo, riscou o fósforo e incendiou o paiol da rotina e da falta de possibilidades. É com ele que seguimos nessa narrativa.

*Xico Sá escreve a coluna “Modas de Macho” no Yahoo! Colunistas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.