Pular para o conteúdo principal

14 anos sem Chico Science



Não lembro em que dia da semana caiu 2 de fevereiro de 1997. Mas também não faria diferença. Pois só soube da morte do meu ídolo dias depois.

Chico Science e Nação Zumbi estavam bombando no cenário musical brasileiro. E não era pra menos. Os caras arrasavam com a sonoridade diversificada e 100% tupiniquim. Era dançante, envolvente, socialmente correta e apontava um novo estilo sonoro. O da miscigenação musical.

Há 14 anos eu estava no auge da minha juventude. Vinte e dois anos de puro suingue. Trabalhava a semana toda e nos finais de semana me acaba na pista do Cabaret Voltaire, um bar [ex] alternativo de Porto Alegre. Lá, quando o DJ Kafú tocava Science, eu enlouquecia.

Embalada pela Nação Zumbi e a Polar, eu me transformava em carangueijo e dava voltas pelo salão. Beijei muito [e coisa e tal] também ao som dos caras.

Engraçado como a morte tem suas façanhas do bem. Na ocasião da morte de Chico, eu tava curtindo o carnaval de Laguna. Era, creio, terça ou quarta-feira de cinzas. Estava recolhida no meu canto, no camping que freqüentava uma vez por ano – e só nessa época -, quando minha [ex] amiga Lú [e parceira de festas] veio gritando até a barraca com um jornal velho nas mãos. Tínhamos brigado, por bobagens, e não nos falávamos há uns dois ou três dias. De repente ela veio com a notícia da morte do inventor do manguebit.

Falei que não tinha graça. Que se ela quisesse falar comigo, era só chegar. A Lú sabia que eu não dava o braço a torcer, então veio com a prova. Li a notícia incrédula. Meu ídolo, o cantor que embalou noites de romance ou de pura folia; o cara que divulgou o maracatu pais afora; que dançava diferente, articulado, como um caranguejo - e que era o vocalista do grupo cujo desejo de assistir ao show eu alimentava – tinha morrido.

A tristeza tomou conta de mim. Mas voltei a conversar com a Lú. E em pouco tempo a gente estava caindo na folia de novo. E na mala estava a página do jornal com a notícia...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…