Pular para o conteúdo principal

Me deixa querer mais, mais paz!


Quero um bate-papo na esquina
Eu quero o Rio antigo
Com crianças na calçada
Brincando sem perigo
Sem metrô e sem frescão
O ontem no amanhã
Eu que pego o bonde 12 de Ipanema
Pra ver o Oscarito e o Grande Otelo no cinema
Domingo no Rian
Me deixa eu querer mais, mais paz

Cristo Redentor visto do Parque Nacional da Tijuca

Gente se divertindo no Corcovado, em pleno Natal

Sabe as curvas da estrada de Santos, consagrada na canção de Roberto Carlos – o Rei? Sabe aquelas vias que os paulistas fazem questão de transitar, em longas carreatas, nos finais de semana ou feriados, em busca de um pouco de sol, areia e água salgada? Pois é. Eu não conheço.

As curvas verdes do Parque Nacional da Tijuca [lindo demais!] rumo a Vista Chinesa

Árvore natalina da Lagoa Rodrigo de Freitas

Mas, em compensação, cada vez que vou ao Rio de Janeiro descubro novos caminhos. E me apaixono mais uma vez a cada visita. São nesses passeios que reafirmo um apelido lindo ao qual todos os visitantes e cidadãos locais utilizam: Cidade Maravilhosa!


Não só toquei, como sentei e ainda tirei várias fotos.

Deve ser essa minha veia com sangue azul que me provoca

Pra mim o Pão de Açucar é doce e a vista do bondinho muito gostosa


É por suas veias que tento fazer programa de turista e até consigo, como ir ao Corcovado [Redentor] e no Pão de Açúcar. Alguma praia para se exibir e usufruir, o tradicional bondinho de Santa Tereza... Porém, a gente sempre tem algo para apreender e se surpreender, como a beleza que é o Parque Nacional da Tijuca, as curiosidades e diversidades de itens populares no Saara, Jacarepaguá [que é longe pra caramba e só vou de novo se for de carro], Barra e coisa e tal.


A favela nunca foi reduto de marginal.

Ela só tem gente humilde, marginalizada. E essa verdade não sai no jornal... [Seu Jorge]


O resultado final é que sempre vale a pena rever lugares, pois sempre há espaço para novidades. E música brasileira para acompanhar, como Rio Antigo de Nanato Buzar e Chico Anysio, na voz aveludada de linda Marrom.















Comentários

jana disse…
oi
que bacana o que vc escreveu!
que bom que sua estadia no rio foi agradavel (tocar e sentar é bom em qualquer estado, kkkk não pude deixar de fazer uma piada)
saudades da mão gordinha, kkkk
vamos marcar 1 chopp, 2 ou mais
bjs
Amiga, suas fotos estão lindas. Fez um belo passeio, da próxima vez desça a Serra e dê um pulinho em Petrópolis, você vai adorar. se gosta de verde é uma boa opção.
Um forte abraço.
Nanda Assis disse…
o poder ée tudooo!!!!

vai ficar p carnaval?

bjosss...
Jana, tem pagode na Realeza amanhã `à noite. Na esquina do samba. Bem em frente a tua casa. É lá a birinight... Hehehehe. Põe a caixa térmica pra rua, com o teu bloco, que eu vou.

Gê, adoro verde. Acho lindo, embora morra de medo de insetos. Sim, medo... Infelizmente mal dá tempo de ver tudo na cidade maravilhosa, quem diria ir para a serra. Mas deixa que um dia eu chego lá. Bjocas

Nanda, acho que não volto pro Carnaval. A cidade fica intransitável!!! Mas, para quem tem paciência, é uma boa pedida. E Araxá, como anda?
è lindo de viver...mas eu tenho medo do Rio..hehehe....na tv aqui de casa mostra cada coisa de lá...heheh
Anônimo disse…
pensei que ia ver uma foto do sukinão às margens de copacabana beach!!!!

rk
Angélica, tu devia saber disso: a tevê aumenta a realidade!!! ;)

Rorrou, eu não gosto de Copacabana, só de Ipanema, Arpoador e Leblon. Sou chic bem! :P

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe