quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Preguiça é pecado, ainda?

A gente passa uma semana sem ler os blogs dos amigos e pronto! Está feito o estrago. Trilhões de textos para ler e de repente vem aquela vontade de comentar em cada um deles, mas fica inviável. Depois da preguiça estabelecida, não adianta remediar. Não dá para atualizar o assunto em uma hora, aliás, em tempo algum.

Porém, ao que parece, nem tudo está perdido. Por exemplo, minha preguiça está começando a ir embora. Sei disso. Sinto! A prova é que acordei cedo, tomei chimarrão, banhinho, pus roupas para lavar, tomei o dejejum [chique isso né?] e agora estou aqui... Há alguns meses que não sabia como era produtivo acordar cedo. E no verão, diria que é até gostoso. A cama queima a pele depois das 9 horas, ou antes até.

Isso é mais do que bom, na verdade. Como preguiça é um dos pecados capitais, sinto que ele está saindo do meu corpo. Mais do que bom, por que já não são sete atos comportamentais insanos que cometo. Não que seja uma católica fervoroza e me importasse com isso. Não que eu seja católica, a princípio. Mas tem alguns deles que tenho ogeriza: Inveja, Ira e Avareza, por exemplo, são pecados realmente imperdoáveis [literalmente] para mim.

Mas quem nunca deu um gritinho revoltado contra algo ou alguém que atire a primeira pedra. Sim, às vezes [o que acontece raramente] eu faço isso. Tudo bem que tem situações provocativas demais e que tiram a pessoa do sério, mas dá para se controlar. Inveja é o fim da picada. E desse mal creio que não sofro, mas também não coloco minha mão no fogo por mim mesma. O olhar cobiçoso é algo maligno e rezo para que não me domine e que também não se abata sobre mim. Avareza creio que é o que menos cometo. Resumindo: já viu negão pobre negando um copo de cerveja ou um passe de ônibus ao próximo? Não, claro que não. Quem dirá outras coisas [justas né, convenhamos; esmola não é algo legal].

Uma pesquisa rápida com o amigo Google e descubro que "os conceitos incorporados no que se conhece hoje como os sete pecados capitais se trata de uma classificação de condições humanas conhecidas atualmente como vícios. Esta é muito antiga e precede ao surgimento do cristianismo, mas que foi usada mais tarde pelo catolicismo com o intuito de controlar, educar e proteger os seguidores, de forma a compreender e controlar os instintos básicos do ser humano". Isso deveria ser pecado também [principalmente]. Aliás, consigo incluir tudo isso em Vaidade. E se uma instituição peca há milênios, então eu, que tenho apenas 36 anos, não devo ficar tão angustiada assim por causa de uma preguicinha temporária né?

Ufa! Que bom que vocês me compreenderam [eu acho!]. Então, agora, também posso ficar tranquila, aqui com minha Gula crônica, a Lúxuria assumida, a Preguiça quase extinta e um Orgulhinho besta e sonolento. Pronto. Confessei!

[Interessante: os pecados evoluíram com o tempo, desde Evágrio Ponto, Papa Gregório I e São Tomás do Aquino. (Mas também pararam por aí) Por isso a diferença entre pecados perdoáveis e os capitais. Mas a preguiça estava sempre lá, entre os sete...]

4 comentários:

Silvia Angélica Palma disse...

Tô com preguiça de escrever....hehehe

Afrodite disse...

Depois de ler tudo isso quem ficou com preguiça fui eu...
aff!
kkkkkk
bjo!

menina fê disse...

se é pecado, tô com uma baita dívida!!!


hahaha
bjs meus

Gaúcho disse...

Sim, preguiça é um pecado. Principalmente quando se esquece dos blogs dos amigos. Isso também dá Lago de Fogo, Segunda Morte e outros coisas mais.
Beijos, Carbonfíera.