Pular para o conteúdo principal

In Rio...



Ainda não achei o mapa da mina, mas até ir embora, eu encontro. O problema é que o tesouro está muito bem guardado. Só vejo as peças na hora em que minha irmã volta do trabalho.

Sim, ela deve ter, no mínimo, umas 30 bolsas. E troca todo dia. A guria sai combinadinha... Eu só consegui sair com uma verde, mas meu desejo real é levar para casa uma grandona, cor de gelo com detalhes verde. Linda! Mas, de cara, já recebi uma negativa.

Tem também uma de nobuck. Bem básica. Mas bonita. Essa eu dispensa. Ta com jeito de manchar a roupa com o suor e de estragar se molhar. Tipo camurça. Agora só preciso saber onde estão as outras. Parece que estão espalhadas pelos 5oo guarda roupas que a casa tem, estantes e coisa e tal.

Porém, isso tudo é detalhe perto dos dias de tranqüila alegria que estamos vivendo aqui no Rio de Janeiro. Isso por que as Barcellos e as Araújo estão reunidas com um único propósito: passar as festas bem. Muito bem! Bem do espírito, da saúde, da consciência, das idéias, da mente.

É como se todos nós nunca estivéssemos morados em cidades diferentes nos últimos 20 anos. Como se estivéssemos, fisicamente, ao alcance das mãos uma das outras. Decisão acertada essa minha de ter vindo para cá, viver esses momentos no seio de quem me ama. Aplacou a saudade, reduziu os assuntos pendentes, revemos pontos turísticos, fizemos happy hour quase todos os dias.

E sim. Engordei. Sabe-se lá em que momento. Se antes ou depois. Mas já estou quatro quilos mais gostosa do que em novembro. Levei um sustinho, mas logo me recuperei. Afinal, encerro o ano num momento bem bom da minha estima. Da certeza da minha sensualidade e da minha beleza. Agora estou pronta para entrar de cabeça numa reeducação alimentar. Do meu jeito, mas estou...



(post programado)

Comentários

Afrodite disse…
Amiga,
O mais importante é vc estar bem consigo mesma!
E está linda!!!
Não deixe que te digam o contrário!
É uma delícia ver a cidade do Pão de Açúcar,né?
Aproveite bem minha,nossa cidade!
Eu amo esse lugar!
Beijo!
Afrodite
Eugenia disse…
Aproveita amiga, isso que é bom...Um ótimo fian de ano pra ti e veja os fogos por mim, um abração.
Pimenta disse…
Olha, nada muda a realidade de que eu vejo você linda.
Vai ser sempre, para mim,
bjo bom ano novo.
Anônimo disse…
Hihihihi...há 1 ano atrás eu escutei tb sobre esse lance de perder peso...rsrsrs.
Mas vamos lá: ano novo, peso novo (nem que seja pra mais!!!)..rsrsrs.

Bjs da Rou.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.