Pular para o conteúdo principal

Se é verdadeira, é pra vida inteira!

Em frente ao local [e depois] da grande revelação


Faz tempo que não falo da Bahia. De certo vocês estavam agradecendo... Mas não tem como deixar de contar todos os pormenores de dez dias em apenas alguns posts. Porém, para tornar menos maçante pra vocês estou tematizando a retrospectiva. Por isso, o mote deste de hoje é uma glória: a amizade!

Entre Mara e eu, lá se vão quase 20 anos de amizade... Tempo que a distância física, geográfica, de trabalho ou de interesses nunca nos afastou de nossos corações. Eu digo de boca cheia: somos amigas pro que der e vier. E dessa vez foi pra viajar.

Essa doida, que conheci quando se mudou para o prédio onde moro desde a década de 80, chegou em minha casa, de repente, logo após eu ter regressado de Videira. Eu sabia de sua perda, ela sabia da minha. Estávamos as duas sofrendo e vivendo e dando um tempo, para depois recomeçarmos. Com muitas coisas em comum e outras nem tanto, fomos nos tornando amigas. E depois de tantos anos, veio natural o convite: “Vamos viajar?”, pergunta ela, rapidamente. “Vamos! Mas para onde?” Ela deu duas opções: Salvador ou Rio de Janeiro. E logo respondi: “Salvador!”

Menos de um mês depois estávamos as duas a bordo de um avião, rumo a Bahia. Felizes e tagarelando, planejando, sonhando e realizando. Cheias de expectativas que foram bem sucedidas. Durante quase duas semanas a gente brigou, se divertiu, conversamos, discutimos, passeamos, comemos, dormimos, rimos, tomamos sol, nadamos na piscina, compramos, bebemos, fofocamos, paqueramos, brigamos mais um pouco, viajamos num total processo de reafirmação da amizade. Porém, por pouco não ponho tudo a perder. E quase entendi por que jacaré não entrou no céu [ou na arca de Noé].

Vocês estão vendo essa minha cara? Marca o momento em que, com menos de duas caipiroska, decidi fazer uma confidência para minha amiga Mara. Era segunda feira, 20 de setembro, e estávamos conhecendo o terreno baiano. Ainda sóbria eu disse a ela que só havia me aproximado dela por causa do [ex] marido. Mas, que em pouco tempo, ela me cativou e mudei de ideia. Preferi a ela e a Ilana [filha que ajudei a cuidar quando pequena] do que ao gostosão do Ireno.

Fiz uma ótima troca. Eu sei! Amizade verdadeira pra mim é aquela que toma como base do relacionamento, o respeito. E se tiver que avaliar sobre esse quesito, a, então tudo bem... Sou uma pessoa realizada. E com amigas. Mas, hoje, eu já tomo o cuidado de não me tornar amiga delas, se o foco do meu desejo for eles. Tenho dito!


Visitando o Projeto Tamar - Praia do Forte [BA]

Comentários

Pimenta disse…
Então, tudo o que é honesto,é verdadeiro!!
Lindas as duas.
Bjos
hehehheh.....tu quase esmagou a guria.....só pode ser amor, mesmo....legal....very legal..
Gaúcho disse…
Ah, o amor... esse sentimento que nos prende e arrebata. E o que dizer da Bahia? A Bahia de todos os Santos, de todos os Silvas, de todos e de tudo...

Beijo, guria.
Pimentinha, obrigada! O segredo está em respeitar os limites da individualidade e curtir o que dá para dividir. Isso é bem honesto! Hehehehe.

Polly, como os videirenses costumam dizer, essa guria causou na Bahia. Eu só acompanhei com meus exageros extremistas. ;)

Beijo nas duas!
Lidia Ferreira disse…
Minha querida
Linda amizade,desejo que continue para sempre , quem tem amigos jamais estara só no mundo
bjs
Gaúcho, eu amo meus amigos de forma tão intensa, que bate até aquele ciuminho de vez em quando. Hehehehe. E, querido, como canta Lenine, se tu não fostes à Bahia Nêgo, então vá! Mas algo me faz crer que já fostes para os pagos de lá...

Beijo gaudério

Lidia! A mais pura verdade isso que dissestes. Obrigada. Também faço votos que dure até a velhice. Ninguém vai nos aguentar, nem nós mesmas. Hehehehe

Beijoca

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…