Pular para o conteúdo principal

A enxada seca...


O Estado do Ceará sofre com a estiagem, que é a pior dos últimos 12 anos. São 135 municípios dos 184, que declararam situação de emergência pública. As comunidades são abastecidas com caminhões pipas, por que a pouca água que as pessoas têm acesso – quando tem – são impróprias ao consumo. Ouvi a notícia no Jornal Nacional e vim ler mais sobre a situação dos nordestinos...

Lembrei-me do tempo que era pequena, no bairro Partenon, poucas quadras de onde moro agora. Muitas vezes, no verão, ficávamos sem água também. A situação era muito comum na década de 80, quando chegávamos a ficar uma semana ou mais sem abastecimento.

Minha mãe, que é guerreira há décadas, corria pro pátio de casa para colocar bacias e panelas de água quando chovia. Às vezes, a incidência era pouca e nem chegava a molhar o solo. Não dava nem pra refrescar a terra ou molhar a grama, que já amarelava pela seca dos verões de antigamente.

Quando o caminhão pipa chegava era uma festa. As crianças corriam com jarras para encher e por na geladeira. As mulheres levavam panelas e os poucos homens que haviam na redondeza pegavam os baldes, pois, muitas vezes, o caminhão só voltava dois dias depois. Muito fiquei na fila, como na imagem acima...

Eu era pequena e não entendia as dificuldades de uma dona de casa para cozinhar, lavar roupas, limpar a casa e ainda fazer render para a higiene pessoal. Quem tinha mais condições na rua, contratava um caminhão pipa. É. Comprava água, que era despejada direto na caixa. Esse caminhão não tinha dia e nem hora. Bastava chamar e pagar que estava ali. Era raro... Uma vez, de muitas falhas que haviam no abastecimento de água em Porto Alegre, meu pai comprou água. Um luxo necessário.

Por isso que a preferência é pelo ouro branco, em qualquer lugar do mundo. Energia fica em nível secundário... Afinal, sem água, não se tem nem comida, nada brota da terra. É difícil de ver, nos tempos de hoje, que por causa da natureza e da falta de políticas públicas, milhares de pessoas ainda sofram com a falta d’água. Principalmente num país onde os recursos hídricos são abundantes, se comparados ao resto do Mundo...

Minha solidariedade ao povo nordestino. Que os deuses da natureza sejam piedosos com eles. E rápido!



Comentários

Guria, esqueceste de contar o quanto faltava água no latifundio da Rua Arlindo de Mattos.... por fora bela viola...prédião chique...por dentro só o pó da rabiola....água no balde e banho de caneca..hauhauhauahu
Fernand's disse…
rápido mesmo, nêga. água é vital para tudo! quanta contradição... um país com tantas fontes, rios, lagoas e etc, e o nordeste ainda preso à escassez!

grande bj meu.
Polly - Bah, era até uma pouca vergonha aquilo. Um big apartamento daqueles e a gente [eu, principalmente] tendo que arrendar o banheiro dos vizinhos pra tomar banho. Que pop!

Fernand's - Doideira total essas diferenças regionais que temos no nosso Brasil. Isso tudo aliado ao desgaste do meio ambiente e a falta de ações públicas e pronto. Tá feita a merda...

Beijocas gurias e bom findi!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe