quinta-feira, 7 de outubro de 2010

A enxada seca...


O Estado do Ceará sofre com a estiagem, que é a pior dos últimos 12 anos. São 135 municípios dos 184, que declararam situação de emergência pública. As comunidades são abastecidas com caminhões pipas, por que a pouca água que as pessoas têm acesso – quando tem – são impróprias ao consumo. Ouvi a notícia no Jornal Nacional e vim ler mais sobre a situação dos nordestinos...

Lembrei-me do tempo que era pequena, no bairro Partenon, poucas quadras de onde moro agora. Muitas vezes, no verão, ficávamos sem água também. A situação era muito comum na década de 80, quando chegávamos a ficar uma semana ou mais sem abastecimento.

Minha mãe, que é guerreira há décadas, corria pro pátio de casa para colocar bacias e panelas de água quando chovia. Às vezes, a incidência era pouca e nem chegava a molhar o solo. Não dava nem pra refrescar a terra ou molhar a grama, que já amarelava pela seca dos verões de antigamente.

Quando o caminhão pipa chegava era uma festa. As crianças corriam com jarras para encher e por na geladeira. As mulheres levavam panelas e os poucos homens que haviam na redondeza pegavam os baldes, pois, muitas vezes, o caminhão só voltava dois dias depois. Muito fiquei na fila, como na imagem acima...

Eu era pequena e não entendia as dificuldades de uma dona de casa para cozinhar, lavar roupas, limpar a casa e ainda fazer render para a higiene pessoal. Quem tinha mais condições na rua, contratava um caminhão pipa. É. Comprava água, que era despejada direto na caixa. Esse caminhão não tinha dia e nem hora. Bastava chamar e pagar que estava ali. Era raro... Uma vez, de muitas falhas que haviam no abastecimento de água em Porto Alegre, meu pai comprou água. Um luxo necessário.

Por isso que a preferência é pelo ouro branco, em qualquer lugar do mundo. Energia fica em nível secundário... Afinal, sem água, não se tem nem comida, nada brota da terra. É difícil de ver, nos tempos de hoje, que por causa da natureza e da falta de políticas públicas, milhares de pessoas ainda sofram com a falta d’água. Principalmente num país onde os recursos hídricos são abundantes, se comparados ao resto do Mundo...

Minha solidariedade ao povo nordestino. Que os deuses da natureza sejam piedosos com eles. E rápido!



3 comentários:

Silvia Angélica Palma disse...

Guria, esqueceste de contar o quanto faltava água no latifundio da Rua Arlindo de Mattos.... por fora bela viola...prédião chique...por dentro só o pó da rabiola....água no balde e banho de caneca..hauhauhauahu

Fernand's disse...

rápido mesmo, nêga. água é vital para tudo! quanta contradição... um país com tantas fontes, rios, lagoas e etc, e o nordeste ainda preso à escassez!

grande bj meu.

Cor de Rosa e Carvão disse...

Polly - Bah, era até uma pouca vergonha aquilo. Um big apartamento daqueles e a gente [eu, principalmente] tendo que arrendar o banheiro dos vizinhos pra tomar banho. Que pop!

Fernand's - Doideira total essas diferenças regionais que temos no nosso Brasil. Isso tudo aliado ao desgaste do meio ambiente e a falta de ações públicas e pronto. Tá feita a merda...

Beijocas gurias e bom findi!