Pular para o conteúdo principal

A Cabana


Sempre soube que minha estada no Meio-Oeste catarinense era temporária. Eu cheguei no verão de 2006 com o propósito de ficar dois anos, no máximo. Acabei ficando quase cinco. Mas acabou.

Essa semana que passou acertei um acordo trabalhista judicialmente. Voltei à cidade Fui do bem [tive um leve arrependimento disso depois]. Mas a vida é feita de ciclos e temos que concluir todos eles para podermos seguir em frente. E assim está sendo.

Nunca tomei uma decisão em que tenha me sentido tão bem depois. Decisão acertada essa de voltar para Porto Alegre. Estou mais gorda, mas me sentindo leve. Feliz. Tranqüila. Sabedora do que tenho de fazer, dos meus sonhos e dos planos.

Nos três dias em que fiquei em Videira, reforcei minha certeza, minhas idéias. Entre isso, encontrei amigos queridos e garanti de que eles estavam realmente bem. Isso me deixou com o peito leve. Saber que meus amores seguem bem as suas rotinas diárias a que se propuseram me alivia a saudade.

Num dos encontros ganhei esse livro: A Cabana. Estava na minha lista de aquisições e leitura. O mimo veio da minha amiga Suzete e parecia criança ganhando pirulito gigante. Já estou lendo. Um pouco receosa, mas não resistindo.

Em todos os momentos nesses três dias, mais uma vez não fiz fotos. Continuo sem câmera para os registros de momentos importantes, como a reunião de amigos. Mas nada que a memória e o bobo do meu músculo não sejam capazes de guardar, sem a ajuda tecnológica. Pelo menos até a primeira visita, que deve acontecer ainda este ano e em grande estilo. Oba!

Comentários

Curiosa da Vida disse…
bem-vinda de volta à nossa Porto sempre sempre alegre ... beijos
A Flor do Sul disse…
Puxa, que coincidência, minha sheli, minha querida! Mais ou menos na mesma época em que tu foste a Videira, eu saí da casa de meus pais, no interior de São Paulo (Botucatu), e nesta mesma época em que voltas a Porto Alegre, recomeço a vida do zero outra vez! Vou casar! O nome dele, acho que já sabes, é Renato, e com ele viverei, lá no Rio Grande do Norte.

Boa sorte a nós dois, beatzlacha! O que plantamos, colhemos. Sei que tu plantas o melhor, e espero estar a fazer a mesma coisa, minha amiga. Te desejo muito sucesso, dona Elaine Barcellos. Até breve, le hitraot.
Lê Fernands disse…
Lindona,
terminar bem é o primeiro passo para recomeçar.

Bjs meus
Anônimo disse…
Eu tb passei por isso e o melhor é sentir o alívio depois de tantas dúvidas nÉ!!!!!
Menina....tava viajando, sabe né....pro exteriorrrrr...hihihihi, tá bem, nem era tão exterior assim, mas a Patagônia Argentina é bem longe....rsrs. E estava praticamente sem internet e passo aqui agora, para te desejar, mto atrasado, os meus desejos de mtas felicidades...Feliz trinta e alguns!!!!
Bjs da Rou.
Curiosa, obrigada pela recepção. Como disseste, nosso Porto, sempre Alegre.

Flor do Sul, sim, boa sorte para nós querido. QUe assim seja, com a benção de todos os anjos.

Fer, boneca, tens toda razão: terminar bem para recomeçar melhor ainda. Sinto uma energia muito boa nesse novo inicio. estou mto contente.

Rorrou, espero que tenha me trazido um esquimó de presente. estou louca para te ver de macacão rosa para esquiar. Hehehe. nos periféricos de bariloche. Mas patagônia? putz, me surpreendeu.

Beijo no coração de todos!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.