Pular para o conteúdo principal

This Is It


É fácil se acostumar a não fazer nada. Absolutamente nada. Basta decidir e pronto. Está perdido o dia, a semana, o mês. Estou no meu segundo mês completo de ostracismo e não me arrependo. Trinta dias antes de voltar para Porto Alegre eu parei de trabalhar e fiquei vadiando em Viddex. Trinta dias depois de chegar a capital dos gaúchos continuo fazendo nada profissionalmente. E continuo gostando disso.

This is it. Não me arrependo mesmo e ainda pretendo ficar mais um mês na vadiagem. Emprego mesmo só vou procurar em outubro. Até lá vivo com o “mensalinho” - bem feliz. Confesso que se conseguia gastar todo o meu salário com coisas banais, agora, com a grana da parcela do acordo deveria estar tudo mais restrito. Mas nunca fui comedida, econômica, sensata. Não seria nesse momento no qual - estou sem o compromisso de aluguel, supermercado, internet e coisa e tal - eu me conteria. Não! Ao contrário. Continuo me mimando.

Um deles está na literatura, afinal, aqui em casa sempre consigo ler. Essa vontade chega forte, mas sutil ao mesmo tempo, e de repente me vejo com o livro nas mãos, na bolsa, na cristaleira da sala, sobre a mesa de jantar ou sofá, sob os travesseiros. Lugar bem comum para Maysa, de Lyra Neto [ou Lira Netto]. Lá está a obra sobre algo ou alguém, ao alcance dos olhos. E por falar em olhos, para pegar no sono tenho que ler duas páginas – ou mais – da leitura atual. Foi assim que fiz com o livro autobiográfico da “minha amiga” Liz Gilbert.

Já faz uma semana que terminei a leitura de Comer, Rezar, Amar. No final o livro ficou interessante e acabei devorando-o em pouco tempo. Queria saber como ela ia encontrar alguém, ou seja, um brasileiro do Rio Grande do Sul em Bali, se a guria só se relacionava com dois xamãs... Enfim, depois de várias decepções e identificação eu gostei da história de vida da jornalista. Penso, inclusive, que o filme será – se não o mesmo sucesso, maior – bem legal. É torcer para que outubro venha logo com a estreia desse romance. Minha vida precisa de um, nem que seja pela sétima arte...



Próxima leitura


As Brumas de Avalon, recém adquiridas pelo Submarino numa mega promocion. Não deu para resistir. E depois de tanta propaganda da Maria Izabel... Comprei!

Futuras Aquisições

- Vale Tudo: Tim Maia
- Doidas e Santas
- Carmen: Uma biografia
- Minha Cara de Mau
- Harry Porter [Coleção]
- Roberto Carlos em Detalhes [biografia proibida, eu sei...]

Comentários

Lê Fernands disse…
Estás certíssima! Mimos são sempre bem vindos!!! Quanto à literatura, sou tão fascinada que minhas últimas aquisições foram 15 livros numa mega promoção também! rsrs

Doidas e Santas é show.
A coleção do Harry Potter é obrigatória.

Só posso pensar em comprar outros depois de devorar os que ainda estão virgens. Meu próximo alvo são livros de roteiro e Fabrício Carpinejar.

Bjs, gata.
Bah, sabia que havia escolhido alguns... Carpinejar está na minha lista também. Adogo! E por falar em livros técnicos, tenho alguns em minha lista que tão com poeira sobre as letras. E viva o vícia Fernand's[inha]. Beijo queridona e boa semana.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.