Pular para o conteúdo principal

Quem vê cara não vê coração


Pensei que fosse chegada a hora de tirar o luto. Não visto preto. Não reduzo compromissos sociais. Não choro as picas, mas sinto dor e saudade. Aqui em casa é assim; cada um chorando a sua maneira. E claro que as dores são perceptíveis... Mas só para quem enxerga além do seu nariz.

Semana passada fui tomar um café com uma estranha. Sim, nos conhecemos, mas não somos íntimas e nunca quis ser. Mas ela se sentiu a vontade para me olhar e dizer: “Como tu está bem guria. Se eu tivesse perdido o pai não estaria assim. Meus pais são meu porto seguro”. Por hora eu fiquei pensando: “Mando tomar no cú agora ou depois?”

Respirei fundo e decidi explicar que 2+2 é quatro, mas que gosto mais do número cinco. Pronto! Com a morte a gente aprende que viver esta vida deve ser sempre levada mais a sério, com respeito e compartilhamento. O que é meu não necessariamente precisa ser só meu na verdade. Pode ser nosso!

Então, mantive meu equilíbrio emocional com a guria. O luto também. Tratei de assuntos gerais e profissionais rapidamente e voltei pro aconchego em minha casa.

[post programado]

Comentários

Lê Fernands disse…
pois eu gostaria de ter a tua força e serenidade. parabéns.

seja bem vinda ao benditas...

graned bj.
Lê Fernands disse…
aliás, o títiulo explica tudo!
Anônimo disse…
Menina...vc está completamente certa. Talvez as pessoas tenham essa reação, justamente por não ter passado ainda pelo que vc passou...a perda nos faz refletirmos sobre nós mesmos. Quem sabe essa tua desconhecida conhecida ainda vá pensar da mesma forma que vc...futuramente!
Bjsssss da Rou.
jana disse…
nega "degraçada"
muda para a vivo e fico 32 min de papo ao telefone c/ vc, kkkk
não esqueci do nosso encontro, acho que vai ficar para o começo do mês. vou te levar para encher o cú no tudo pelo social, kkkk
bjs
Nunca sei o que dizer nesses momentos, sou péssima nisso. As pessoas falam coisas que não queremos ouvir, uns até aproveitam pra tirar uma casquinha pra ver se somos de madeira ou louça.
Nada como um bom chá quentinho, meias nos pés e uma boa cama pra um coração partido...Eu entendo sua perda, muitos entes queridos se forão.
Um abração Rosinha
Anônimo disse…
O QUE SE FAZ QAUNDO SE SENTE SEM CHÃOOOO SEM VIDA .. QUANDO A PESSOA QUE VC AMA MUITOOOOOOOO TE TARAI, MENTE... QUE DORE ESSA!!
Anônimo

É uma dor insuportável. Eu sei! É algo que corrói o estômago e chega as costas, fazendo com que a gente se dobre sobre a cama e queira ficar lá, quase que pra sempre. Um dor que sai pelos olhos, com as lágrimas, e entra pelos ouvidos, a narina e a boca, abundantemente...

Mas fique certa caro anônimo: nenhuma dor de amor [desse tipo] é maior do que a dor da perda de quem, seguramente, sabes que te ama e que é recíproco. A dor de amor passa. Demora, mas passa. Marca, mas passa. Dá raiva, ódio até, distraí a gente, nos desvia do caminho, tira nosso foco, nosso prazer de viver. Mas tem fim.

Só a dor da perda da pessoa amada para o anjo da morte que não tem fim, pois, depois de muito, mas muito tempo, ela vira saudade. E saudade é pra sempre. E o que é pra sempre, fica sem substituto...

Levanta a cabeça caro anônimo, sacode a poeira e dá a volta por cima. Ponto!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe