Pular para o conteúdo principal

Contra burguês...



Eu me divirto diariamente com o horário político. Há velhos jargões sendo usados pelos candidatos no pleito deste ano e alguns poucos novos. Alguns bem bolados, mas já outros... É isso que acho muito engraçado.

Para exemplificar, tem aquela clássica do PSTU – Contra burguês, vote 16 –, que aliado aos rostinhos ‘revolucionários’ de Júlio Flores e Vera Guasso, nos faz refletir sobre o processo de desenvolvimento dos partidos, ainda, pequenos.

Outro motivo de graça é o reaproveitamento de jingles de campanhas municipais, como o peemedebista Fogaça, hoje candidato ao Governo do Estado dos gaúchos. Putz, o cara é compositor, podia muito bem ter inovado neste ano... Mas, garanto, que ouviria outro velho dito popular: “em time que está ganhando não se mexe...” Então ta.

Dos novos tem este: “é gorvernando que governantes aprendem a governar”. Putz grilo! Eu sou de esquerda, mas devo admitir que o povo está mal de marketing político. Mas acho que consigo escapar, dizendo que essa afirmação é dos comunistas e eu sou Trabalhadora. E por falar neles, os programas do PT estão de primeira qualidade. Tenho esperança de que o Estado saia das mãos de retrocesso e reacionárias da tucana para voltar ao domínio popular, moderado.

Óbvio que ano estou avaliando os projetos. Daí vai de palhaço de circo ao terceiro sexo querendo aparecer e conquistar votos pelo ridículo. Não há outra explicação. Sou vanguardista, com poucos preconceitos, mas daí ver um cara desmunhecando, literalmente, e propositalmente, desmerece o trabalho dos homoafetivos contra a discriminação.

Tem professor que a gente sabe que não merece estar em sala de aula e muito menos tentando ser político com a alcunha de uma categoria. Tem ex secretários de estado de tudo que é partido, ex governantes, e até ex comunicadora e comentarista política, se fazendo de pop para conquistar uma cadeira no Senado. Ba tchê! De cair o queixo...

Mas o bom mesmo é voltar a votar. Depois de justificar durante dois pleitos [2006 e 2008], agora volto a me interar do processo político do meu Estado e da minha cidade. Eu sou daquelas que se o voto fosse facultativo, iria às urnas mesmo assim. E para voltar a exercer minha participação política, iria transferir meu título este ano. Estava cansada de me fazer de ignorante perante algumas atrocidades políticas que percebia, sem manifestar minha opinião, de forma categórica, e participativa também.

Tudo bem. Sou boba, eu sei. Mas ainda acredito na mudança, em gente que quer trabalhar e defender os direitos da população, com um pouco menos de descaramento e fingimento do que se apresenta por aí. Às vezes é difícil de acreditar no que vemos e conferimos. Em muitos momentos esmoreci e por vários motivos. Mas sou brasileira e gaúcha e não desisto nunca [duplamente]!

Comentários

menina fê disse…
eu acredito também, por isso eu voto na dilma, no tiririca, no maluf, no garotinho!

kkkkkkkkkkkkkkkkkk
BRINCADEIRINHA!!!!!!!

eu acredito, pena o povo não se interessar por irmação... muita coisa poderia mudar!

bjs meus!

gata, tem e-mail? manda um sinal de fumaça. quero te contar uma parada'í! rara

ó, esteja sempre com o papai do céu, Ele sempre está com vc.
menina fê disse…
ops: informação

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…