Pular para o conteúdo principal

Contra burguês...



Eu me divirto diariamente com o horário político. Há velhos jargões sendo usados pelos candidatos no pleito deste ano e alguns poucos novos. Alguns bem bolados, mas já outros... É isso que acho muito engraçado.

Para exemplificar, tem aquela clássica do PSTU – Contra burguês, vote 16 –, que aliado aos rostinhos ‘revolucionários’ de Júlio Flores e Vera Guasso, nos faz refletir sobre o processo de desenvolvimento dos partidos, ainda, pequenos.

Outro motivo de graça é o reaproveitamento de jingles de campanhas municipais, como o peemedebista Fogaça, hoje candidato ao Governo do Estado dos gaúchos. Putz, o cara é compositor, podia muito bem ter inovado neste ano... Mas, garanto, que ouviria outro velho dito popular: “em time que está ganhando não se mexe...” Então ta.

Dos novos tem este: “é gorvernando que governantes aprendem a governar”. Putz grilo! Eu sou de esquerda, mas devo admitir que o povo está mal de marketing político. Mas acho que consigo escapar, dizendo que essa afirmação é dos comunistas e eu sou Trabalhadora. E por falar neles, os programas do PT estão de primeira qualidade. Tenho esperança de que o Estado saia das mãos de retrocesso e reacionárias da tucana para voltar ao domínio popular, moderado.

Óbvio que ano estou avaliando os projetos. Daí vai de palhaço de circo ao terceiro sexo querendo aparecer e conquistar votos pelo ridículo. Não há outra explicação. Sou vanguardista, com poucos preconceitos, mas daí ver um cara desmunhecando, literalmente, e propositalmente, desmerece o trabalho dos homoafetivos contra a discriminação.

Tem professor que a gente sabe que não merece estar em sala de aula e muito menos tentando ser político com a alcunha de uma categoria. Tem ex secretários de estado de tudo que é partido, ex governantes, e até ex comunicadora e comentarista política, se fazendo de pop para conquistar uma cadeira no Senado. Ba tchê! De cair o queixo...

Mas o bom mesmo é voltar a votar. Depois de justificar durante dois pleitos [2006 e 2008], agora volto a me interar do processo político do meu Estado e da minha cidade. Eu sou daquelas que se o voto fosse facultativo, iria às urnas mesmo assim. E para voltar a exercer minha participação política, iria transferir meu título este ano. Estava cansada de me fazer de ignorante perante algumas atrocidades políticas que percebia, sem manifestar minha opinião, de forma categórica, e participativa também.

Tudo bem. Sou boba, eu sei. Mas ainda acredito na mudança, em gente que quer trabalhar e defender os direitos da população, com um pouco menos de descaramento e fingimento do que se apresenta por aí. Às vezes é difícil de acreditar no que vemos e conferimos. Em muitos momentos esmoreci e por vários motivos. Mas sou brasileira e gaúcha e não desisto nunca [duplamente]!

Comentários

menina fê disse…
eu acredito também, por isso eu voto na dilma, no tiririca, no maluf, no garotinho!

kkkkkkkkkkkkkkkkkk
BRINCADEIRINHA!!!!!!!

eu acredito, pena o povo não se interessar por irmação... muita coisa poderia mudar!

bjs meus!

gata, tem e-mail? manda um sinal de fumaça. quero te contar uma parada'í! rara

ó, esteja sempre com o papai do céu, Ele sempre está com vc.
menina fê disse…
ops: informação

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe