Pular para o conteúdo principal

Música, Arte e Poesia [tudo junto e misturado]


Pela Luz dos Olhos Teus
Tom Jobim

(Ela canta)
Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar

Ai, que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus
Só pra me provocar
Meu amor juro por Deus
Me sinto incendiar

(Ele canta)
Meu amor juro por Deus
Que a luz dos olhos meus
Já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus
Sem mais la ra ra ra...
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar


Paragem - Frida Kahlo

Na última semana houve várias homenagens. Sobre perdas, mas homenagens. Cazuza, o poeta endemoniado, morreu há 20 anos. Eu tinha 15 quando perdemos este artista brasileiro, irreverente, saliente... Jovem assim e já o admirava, já cantava suas canções, como se tivesse vivido um amor moído no liquidificador. Se soubesse o que representava isso na alma e no peito não haveria de me emocionar tanto com suas músicas.

Cazuza morreu jovem e eu sem ver seu show. Sem empolgar-me com suas palavras e gestos marcantes. Mas tudo bem. Eu o tenho em meus acervos musicais mesmo assim.

Há 20 anos também morria seu ídolo. Vinicius de Moraes foi sua referência desde pequeno. Na infância, Cazuza e Pedro Bial foram fazer um trabalho de escola na casa do poeta, que pela manhã já entornava uma garrafa de uísque e fumava charutos cubanos legítimos. Os dois, pequenos, sabiam de cor seus poemas. De cor e salteado o que havia de bom na literatura e a música brasileira. Resultado: os dois fizeram a tarefa para o colégio, mas chegaram bêbados e cheirando a fumo em suas casas.

Vinicius é um encanto. Aprecio suas palavras doces e amargas desde a adolescência, mas nem de longe conheço a sua obra. Lá, que uns versos e outros. Mas é de apaixonar qualquer um. Morreu cedo o poeta. Mas aos 66 anos o boêmio artista já havia se casado nove vezes, com justificativas ora canalhas, ora cafajestes. Ta. Ta. Tenho um pouco muito de inveja do cara. Já passei da metade de sua idade; não casei nem uma vez e muito menos fiz versos tão expressivos assim.

E a aniversariante da semana... Frida Kahlo. Minha singela homenagem a artista tão emotiva e surrealista estão em meus computadores. Primeiro no Lacraia, que humildemente se rendeu a dois adesivos da querida artista plástica mexicana. Do laptop ao netbook, algo mais incisivo. Dei seu nome ao meu micro notebook, além de outro adesivo seu.

Salvador Dali foi um gênio do surrealismo nas artes plásticas. Mas Frida em encantou pelo seu jeito simples de viver e amar a família e ao seu homem. De lutar pela sua própria vida e pelo seu trabalho. O que importa a agressividade em cores de suas emoções? Talvez, em meio a tantas desgraçadas vividas, eu também escreveria coisas sombrias... É por ela que desejo costear ou atravessar a América Latina e Central. Por este ícone da dramaturgia plástica que alimento o desejo de conhecer sua casa e as pirâmides que subiu em desafio a disposição de um velho comunista [e pelo rei do rock, banhar-me em Acapulco].

Mas, no momento, saúdo a todos estes três magos da música, das palavras e das artes, miscigenados. Minha reverência, humilde e simplória, aos meus ídolos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe