Pular para o conteúdo principal

Chocada com o Prates...

Está todo mundo chocado com a morte do filho da Cissa Guimarães. Eu estou chocada é com a total falta de respeito do ser humano com o próximo, com a displicência com a vida alheia, com a imprudência, com as vaidades... Nisso, lá se vai mais um jovem que, de certo, ainda não havia sentido o gosto bom da vida. Isso sim me choca.

Na verdade eu lamento toda perda humana e animal. Independente da idade, de raça, credo, opinião política... Claro, que a gente se sensibiliza mais ainda com aqueles que estão ao nosso lado, que nos são próximo. Mas mortes violentas sempre nos alertam sobre a capacidade maligna ou inconseqüente do que nossos “semelhantes” podem cometer, como no caso de Eliza Samudio.

Mas o que fiquei de cara mesmo foi com o comentário de Luiz Carlos Prates, hoje, no Jornal do Almoço de SC. Quanta bobagem uma pessoa pode dizer em rede televisiva... É como se houvesse justificativa para a morte de um jovem que, inadvertidamente, andava de skate numa via pública carioca, de madrugada, mesmo que interditada. Ao meu entendimento sobre o comentário deste comunicador, a culpa da morte do filho é a própria Cissa que não soube dizer Não ao jovem, que - para Prates - deveria estar dormindo em segurança dentro de casa. Idiota!

De certo ele tem raivinha da pressão social que o grupo de artistas e a própria Globo [e a mídia em geral] está concedendo sobre o caso. Ao menos um ou dois motoristas irresponsáveis poderão sofrer as devidas conseqüências sobre seus atos. Não entendo como um comunicador pode defender, abertamente, o comportamento covarde e frio de pessoas que atropelam e fogem - passam por uma barreira com um carro semi destruído e apresentando calma. De pessoas que fazem da alta velocidade uma prática normal. Do atropelamento violento e da falta de hombridade, capaz da omissão de socorro.

Câncer social como esse que temos na tevê tem que ser extraído da mídia. Quer que a morte bruta de uma pessoa sirva de lição a todos os pais e jovens. Ah, por favor! No site da RBSTV ele é citado como polêmico. E sim: É! O “baluarte da moral e dos bons costumes” que sempre tem um comentário a fazer sobre comportamento. Queria saber o que ele deve ter pensado sobre o parente estuprador do chefe...

É Prates... Acho que tem razão mesmo. A culpa é da falta de pulso da mãe. Mas não da mãe do Rafael. Nem do Rafael...

Comentários

Sempre o achei um falso moralista, ridiculo e ultrapassado...é um machista e facista.....uó...e é datua terra essa tralha...hehehe
Ah.... esqueci de dizer...entre no site http://www.tijoladasdomosquito.com.br/

O Mosquito é quem gosta do Prates..hehe
Anônimo disse…
É, manda o link pra "Globo Mãe", o q será q a própria Cissa diria... POOOOORCO.
Bá Angélica, nós temos outros da mesma laia do Prates para exportar. Hehehe. Ainda bem que desse mal a gente se livrou cedo. Vou seguir as tijoladas no twitter. Hehehe.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…