Pular para o conteúdo principal

Chocada com o Prates...

Está todo mundo chocado com a morte do filho da Cissa Guimarães. Eu estou chocada é com a total falta de respeito do ser humano com o próximo, com a displicência com a vida alheia, com a imprudência, com as vaidades... Nisso, lá se vai mais um jovem que, de certo, ainda não havia sentido o gosto bom da vida. Isso sim me choca.

Na verdade eu lamento toda perda humana e animal. Independente da idade, de raça, credo, opinião política... Claro, que a gente se sensibiliza mais ainda com aqueles que estão ao nosso lado, que nos são próximo. Mas mortes violentas sempre nos alertam sobre a capacidade maligna ou inconseqüente do que nossos “semelhantes” podem cometer, como no caso de Eliza Samudio.

Mas o que fiquei de cara mesmo foi com o comentário de Luiz Carlos Prates, hoje, no Jornal do Almoço de SC. Quanta bobagem uma pessoa pode dizer em rede televisiva... É como se houvesse justificativa para a morte de um jovem que, inadvertidamente, andava de skate numa via pública carioca, de madrugada, mesmo que interditada. Ao meu entendimento sobre o comentário deste comunicador, a culpa da morte do filho é a própria Cissa que não soube dizer Não ao jovem, que - para Prates - deveria estar dormindo em segurança dentro de casa. Idiota!

De certo ele tem raivinha da pressão social que o grupo de artistas e a própria Globo [e a mídia em geral] está concedendo sobre o caso. Ao menos um ou dois motoristas irresponsáveis poderão sofrer as devidas conseqüências sobre seus atos. Não entendo como um comunicador pode defender, abertamente, o comportamento covarde e frio de pessoas que atropelam e fogem - passam por uma barreira com um carro semi destruído e apresentando calma. De pessoas que fazem da alta velocidade uma prática normal. Do atropelamento violento e da falta de hombridade, capaz da omissão de socorro.

Câncer social como esse que temos na tevê tem que ser extraído da mídia. Quer que a morte bruta de uma pessoa sirva de lição a todos os pais e jovens. Ah, por favor! No site da RBSTV ele é citado como polêmico. E sim: É! O “baluarte da moral e dos bons costumes” que sempre tem um comentário a fazer sobre comportamento. Queria saber o que ele deve ter pensado sobre o parente estuprador do chefe...

É Prates... Acho que tem razão mesmo. A culpa é da falta de pulso da mãe. Mas não da mãe do Rafael. Nem do Rafael...

Comentários

Sempre o achei um falso moralista, ridiculo e ultrapassado...é um machista e facista.....uó...e é datua terra essa tralha...hehehe
Ah.... esqueci de dizer...entre no site http://www.tijoladasdomosquito.com.br/

O Mosquito é quem gosta do Prates..hehe
Anônimo disse…
É, manda o link pra "Globo Mãe", o q será q a própria Cissa diria... POOOOORCO.
Bá Angélica, nós temos outros da mesma laia do Prates para exportar. Hehehe. Ainda bem que desse mal a gente se livrou cedo. Vou seguir as tijoladas no twitter. Hehehe.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe