Pular para o conteúdo principal

...Cachorro, Gato, Galinha.


No twitter sigo as Frases do Calvin, cujas falas me identifico bastante. Uma delas ainda mais: “Nunca consigo fazer todo o ‘Nada’ que quero”. Senti isso na prática nesses primeiros dias de julho, quando passei uma semana com mãe e tia. Pouco tempo para nós. Pouco tempo só para mim.

A visita das parentas me deixou longe da blogosfera nos últimos dias. Confesso que gostei. Foram dias de exageros gastronômicos, consumistas, caminhadas excessivas, fofocas de família e muito carinho. Elas vieram de Porto Alegre me ajudar com a mudança, selecionar objetos e empacotar outros. Mas, na verdade, fizemos é nada. Diliça!

As duas senhoras entraram e saíram de lojas do comércio de Videira cansativamente. Eu ganhei mimos, como uma valise linda, verde, que eu cobiçava há anos para minhas pequenas viagens. Gastei o dinheiro delas com comidinhas, doces, e mais compras. Fiz a mãe trocar de bolsa e de carteira e a tia a comprar uma bota de calcanhar e uma bolsa também. Fora outros objetos de casa e cozinha que elas viviam atrás [fiquei com encomendas...].

Mas nada foi melhor do que o carinho das duas. Elas fuxicaram, verificaram, inspecionaram e opinaram. Uma semana cercada de todos os tipos de emoções.

Difícil desassociar a ausência de meu pai também. O luto ainda é recente e ainda há assuntos ligados a ele que vire e mexe vêem à tona. Além disso, o velho, mesmo morto ainda me emociona com seus mimos, transmitidos pelas mãos enrugadas, mas carinhosas de minha mãe. O resultado é mais saudades e um pouco de incredulidade...

Nesse curto espaço de tempo pude prever o que serão os próximos meses. Realmente não estou preparada para o convívio familiar numa mesma casa novamente. Já tenho quase 36 anos, maniática e com um gato manhoso. Mas também não desgosto ao todo a nova situação. Contratidória, como sempre, mas, mesmo tendo ficado um pouco enlouquecida nesses dias, ao chegar na minha minúscula casa depois de embarcar as duas no ônibus de viagem, já sentia falta de presenças tão fortes. Imediatamente quis que voltassem. Ou que eu voltasse logo...

Comentários

Família, tu és a morada de todos os vícios da sociedade; tu és a casa de repouso das mulheres que amam as suas asas, a prisão do pai de família e o inferno das crianças. (August Strindberg)
jana disse…
dona odete me disse que precisa de um casaco e comprou uma bolsa? kkkkk
bem mãe da elaine mesmo
quero ver esse amor todo com vc estiver morando com dona odete, to achando que logo logo vc vai querer debandar novamente, kkkk
bjs
Nanda Assis disse…
oi amiga tava c saudades.

bjosss...
Pollyanna, tive que jogar o cara no google pra saber quem é... Mas é isso mesmo que ele disse.

Jana, deixa de ser fogueteira, intrigueira, e todos os eiras mais possíveis. Sua invejosa. hehehe.

Nanda, queridona, eu também estava. Beijo no teu coração.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe