Pular para o conteúdo principal

Bem igual



Qualquer semelhança não é coincidência. Sou e estou toda atrapalhada, que nem o Homer Simpson [não era essa imagem, mas achei mais conveniente utilizar essa para o momento]. Meu problema é ter tempo, pois sempre vou deixar para a última hora mesmo... Mas estou tentando reverter esta situação. Por exemplo, teto vender os móveis e eletrodomésticos, mas não estou tendo êxito. Isso quer dizer que vou ter que cancelar a viagem a Curitiba, como pretendia fazer nesse final de semana.

Em contrapartida tenho presentes. Uma festa surpresa que agora não é mais surpresa está sendo organizada para mim. Não poderei usufruir dela se estiver viajando, mas creio que isso não irá acontecer mesmo. Com isso ganho tempo para me desfazer dos bens, para ficar na cama enquanto o gelo derrete do lado de fora, para organizar o bota fora dessa semana e caminhar até o tatuador...

Sim, farei mais uma marca no corpo. Essa está planejada há mais de um ano, mas só agora irei fazer. Como será a oitava, vou tratar logo de fazer a nona no mesmo dia. O problema será justamente saber qual será a outra... Talvez mude de ideia até a hora H.

Tenho estado ausente daqui e não é por falta de tempo, com certeza [está aqui o motivo da figura de Homer]. Mas o frio é tanto por aqui que tenho ficado mesmo é com as mãos em luvas ou embaixo das cobertas, enquanto vejo Vídeo Show, Vídeo Game, Sinhá Moça e Sessão da Tarde. Uma vadiagem completa e do tipo Homer Simpson. Só levanto para fazer xixi e comer. Aliás, como fiz em excesso nessa terça feira.

Foi noite de festa julina dos meus queridos velhinhos da Samuvi. Eles são uns barato e queria que tivessem a oportunidade de conhecê-los. Tem um que conta anedotas com maestria e a sua esposa é tão doce que me emociona no tato... Tem outro casal que é tão amoroso um com outro que dá vontade de ter um amor assim, pra toda vida. Tem as viúvas e as solteironas que são tão faceiras que parecem que descobriram a juventude a pouco tempo. E tem os de meia idade, como eu, que é acolhido tão calorosamente no grupo, que parece que os conheço desde pequena. Foi uma noite agradabilíssima e de despedida. Cheguei em casa já com saudades...

Hoje, para arejar o corpo, fui ao cinema. Quase molhei as calcinhas de tanto rir do Gato de Botas, do Burro e achei a Fiona muito sexy de guerrilheira. Sei que quando for um desenho animado quero ser que nem ela, na versão selvagem. Também almocei na padoca hoje. Agora será uma constante, já que devolverei o fogão nessa quinta. Ouvi uma cliente responder para a dona que estava sumida por que mudou de emprego. E está feliz. Trabalho todos os sábados e domingos, tem mais responsabilidade, mais desgaste, mas está feliz. Era o que queria fazer.

É bom ouvir isso. Acredito que precisamos mudar às vezes. Buscar desafios, traçar novas metas e objetivos e ir a luta. Sacudir o esqueleto. Toda mudança traz sempre um aspecto positivo e que se bem aproveita pode fazer uma diferença enorme. Enfim, era o que estava precisando para a minha vida. Novos ventos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.