Pular para o conteúdo principal

Só na folga!

Luci, a dona da casa, e Jô [que tá sempre assustando o sobrinho]
As irmãs Zago parecem estar empenhadas em manter meus dias de folga bem entretidos. E estão conseguindo. Primeiro foi o domingo no Barraco dos Piás, depois um churras e uma tarde chuva bem quentinha e abrigada no Santa Gema, ao lado do ranhentinho do Otávio [hehehe]. Nesta quinta, degustei a vaca atolada da Luci e ainda trouxe um pequeno potinho com a delícia pra casa.

Só na folga, passei esses dias em plena alegria. As gurias são gente boa demais. Divertidas pacas e comilonas. Putz, a Lú passa o dia inteiro pensando em pinhão na chapa. Eu, desde que entro na casa dela, também. Na verdade bem antes de chegar lá. Penso no pinhão e no vinho Niágara São Pasqual para acompanhar.

Nesse feriado de Corpus Christi a Bruna também foi pra lá. Só pela foto dá para ver que a simpatia da guria com aquele sorriso nas orelhas. Ela é bem divertida e bonita, a morena de Rondinha. Tai, mais um nome de blog para as gurias da comunidade: gringadarondinha [registra logo Jujuba] e morenadarondinha [especial pra ti Brú]. Lú, por enquanto tu fica sem. Afinal, já não mora mais lá mesmo. Mas te juro que até ir embora eu penso no nome de um blog pra ti.

A de vermelho é a "morenadarondinha.blogspot.com".

Ok, ela não tem blog. Ainda!

Pro Aercio é fácil. O guri parece cabeção. Fez administração e agora está cursando Técnico em Informática no campus de Videira do IFC. Nerd. Da Rondinha. Se ligou né tchê? Mas nem vou incentivar o guri a fazer o blog dele. Esses caras falam outra língua e nem parece que são daqui.

Confesso que sempre chamava um deles quando tinha o Fred Astaire. Antes deles começarem a prestar os serviços às desprovidas desses conhecimentos técnicos, como eu, vinham as perguntas pelo telefone. “O computador está ligado na tomada?” Ou, “A luzinha da máquina está acesa? E a do monitor?” A assistência técnica adora testar nossa paciência com essas questões. Por fim, antes deles saírem de suas tocas – uma sala cheia de cabos, chips, placas, destok e laptop abertos e ferramentas – para nos atenderem em casa ou buscar as máquinas, a pergunta final: “Já reiniciou o computador?” Pois é, possivelmente assim fique o pai do Otávio. Com essa “conversa mole” pra cima de nós... :)



Não fiz foto do Aercio.

Mas quem precisa dela se o Otávio é a cara do pai?

Que cuti cuti esse guri!

Bom, o que sei é que meus dias de folga tem sido agradabilíssimos ao lado da família Zago – um milésimo dela. No jogo do Brasil marcado para as 11 horas, outro encontro. Eles entendem desse negócio. O Aercio por que é homem, a Lu por que é uma doente por futebol e diz que joga. A Josiane, essa, de certo, deve lembrar-se do tempo em que chutava a bola pra algum canto do futebol de várzea que participava na infância. O que sei é que depois que ela descobriu o salto alto, só quer saber da Pittol Calçados. Mais nada! E não é para comprar chuteiras.

Finalmente, uma foto minha com o ranhentinho...

Comentários

Nanda Assis disse…
que menino liiindoooo!! gente e estes olhos? isso é menino de ta na rede globo!!

bjossss...
Lu disse…
Lindo mesmo meu guri. futuramente garoto de propaganda hehehehehe
muito legal
agora só espero pro churrasco e claro vou ter que arrumar mais um vinho pois aquele de casca dura depois que a nega e a jo tomaram quasi tudo disceram que ele estava forte kkkkkk
é pra acabar mesmo
lu disse…
Você nega é incrivel que pena que passamos pouco tempo juntas mas esse pouco tempo o que rimos, comemos e bebemos deus ulivre de nós. vamos morrer pela boca heheheh
Nanda - O guri é tão lindo quanto na foto. E ligado em 220 volts. Não entendo pra que jogar foot com o moleco que bom de bola desses em casa. heheheh.

Luci - Pouco tempo, mas de qualidade. Certamente. Mas a culpa de tudo isso é da Jô, claro. Hehehehe. Beijocas
Luci Cardinelli disse…
Estar com amigos não tem preço. O Otávio é uma fofura!! Lindo!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…