Pular para o conteúdo principal

Só na folga!

Luci, a dona da casa, e Jô [que tá sempre assustando o sobrinho]
As irmãs Zago parecem estar empenhadas em manter meus dias de folga bem entretidos. E estão conseguindo. Primeiro foi o domingo no Barraco dos Piás, depois um churras e uma tarde chuva bem quentinha e abrigada no Santa Gema, ao lado do ranhentinho do Otávio [hehehe]. Nesta quinta, degustei a vaca atolada da Luci e ainda trouxe um pequeno potinho com a delícia pra casa.

Só na folga, passei esses dias em plena alegria. As gurias são gente boa demais. Divertidas pacas e comilonas. Putz, a Lú passa o dia inteiro pensando em pinhão na chapa. Eu, desde que entro na casa dela, também. Na verdade bem antes de chegar lá. Penso no pinhão e no vinho Niágara São Pasqual para acompanhar.

Nesse feriado de Corpus Christi a Bruna também foi pra lá. Só pela foto dá para ver que a simpatia da guria com aquele sorriso nas orelhas. Ela é bem divertida e bonita, a morena de Rondinha. Tai, mais um nome de blog para as gurias da comunidade: gringadarondinha [registra logo Jujuba] e morenadarondinha [especial pra ti Brú]. Lú, por enquanto tu fica sem. Afinal, já não mora mais lá mesmo. Mas te juro que até ir embora eu penso no nome de um blog pra ti.

A de vermelho é a "morenadarondinha.blogspot.com".

Ok, ela não tem blog. Ainda!

Pro Aercio é fácil. O guri parece cabeção. Fez administração e agora está cursando Técnico em Informática no campus de Videira do IFC. Nerd. Da Rondinha. Se ligou né tchê? Mas nem vou incentivar o guri a fazer o blog dele. Esses caras falam outra língua e nem parece que são daqui.

Confesso que sempre chamava um deles quando tinha o Fred Astaire. Antes deles começarem a prestar os serviços às desprovidas desses conhecimentos técnicos, como eu, vinham as perguntas pelo telefone. “O computador está ligado na tomada?” Ou, “A luzinha da máquina está acesa? E a do monitor?” A assistência técnica adora testar nossa paciência com essas questões. Por fim, antes deles saírem de suas tocas – uma sala cheia de cabos, chips, placas, destok e laptop abertos e ferramentas – para nos atenderem em casa ou buscar as máquinas, a pergunta final: “Já reiniciou o computador?” Pois é, possivelmente assim fique o pai do Otávio. Com essa “conversa mole” pra cima de nós... :)



Não fiz foto do Aercio.

Mas quem precisa dela se o Otávio é a cara do pai?

Que cuti cuti esse guri!

Bom, o que sei é que meus dias de folga tem sido agradabilíssimos ao lado da família Zago – um milésimo dela. No jogo do Brasil marcado para as 11 horas, outro encontro. Eles entendem desse negócio. O Aercio por que é homem, a Lu por que é uma doente por futebol e diz que joga. A Josiane, essa, de certo, deve lembrar-se do tempo em que chutava a bola pra algum canto do futebol de várzea que participava na infância. O que sei é que depois que ela descobriu o salto alto, só quer saber da Pittol Calçados. Mais nada! E não é para comprar chuteiras.

Finalmente, uma foto minha com o ranhentinho...

Comentários

Nanda Assis disse…
que menino liiindoooo!! gente e estes olhos? isso é menino de ta na rede globo!!

bjossss...
Lu disse…
Lindo mesmo meu guri. futuramente garoto de propaganda hehehehehe
muito legal
agora só espero pro churrasco e claro vou ter que arrumar mais um vinho pois aquele de casca dura depois que a nega e a jo tomaram quasi tudo disceram que ele estava forte kkkkkk
é pra acabar mesmo
lu disse…
Você nega é incrivel que pena que passamos pouco tempo juntas mas esse pouco tempo o que rimos, comemos e bebemos deus ulivre de nós. vamos morrer pela boca heheheh
Nanda - O guri é tão lindo quanto na foto. E ligado em 220 volts. Não entendo pra que jogar foot com o moleco que bom de bola desses em casa. heheheh.

Luci - Pouco tempo, mas de qualidade. Certamente. Mas a culpa de tudo isso é da Jô, claro. Hehehehe. Beijocas
Luci Cardinelli disse…
Estar com amigos não tem preço. O Otávio é uma fofura!! Lindo!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…