Pular para o conteúdo principal

Só na folga!

Luci, a dona da casa, e Jô [que tá sempre assustando o sobrinho]
As irmãs Zago parecem estar empenhadas em manter meus dias de folga bem entretidos. E estão conseguindo. Primeiro foi o domingo no Barraco dos Piás, depois um churras e uma tarde chuva bem quentinha e abrigada no Santa Gema, ao lado do ranhentinho do Otávio [hehehe]. Nesta quinta, degustei a vaca atolada da Luci e ainda trouxe um pequeno potinho com a delícia pra casa.

Só na folga, passei esses dias em plena alegria. As gurias são gente boa demais. Divertidas pacas e comilonas. Putz, a Lú passa o dia inteiro pensando em pinhão na chapa. Eu, desde que entro na casa dela, também. Na verdade bem antes de chegar lá. Penso no pinhão e no vinho Niágara São Pasqual para acompanhar.

Nesse feriado de Corpus Christi a Bruna também foi pra lá. Só pela foto dá para ver que a simpatia da guria com aquele sorriso nas orelhas. Ela é bem divertida e bonita, a morena de Rondinha. Tai, mais um nome de blog para as gurias da comunidade: gringadarondinha [registra logo Jujuba] e morenadarondinha [especial pra ti Brú]. Lú, por enquanto tu fica sem. Afinal, já não mora mais lá mesmo. Mas te juro que até ir embora eu penso no nome de um blog pra ti.

A de vermelho é a "morenadarondinha.blogspot.com".

Ok, ela não tem blog. Ainda!

Pro Aercio é fácil. O guri parece cabeção. Fez administração e agora está cursando Técnico em Informática no campus de Videira do IFC. Nerd. Da Rondinha. Se ligou né tchê? Mas nem vou incentivar o guri a fazer o blog dele. Esses caras falam outra língua e nem parece que são daqui.

Confesso que sempre chamava um deles quando tinha o Fred Astaire. Antes deles começarem a prestar os serviços às desprovidas desses conhecimentos técnicos, como eu, vinham as perguntas pelo telefone. “O computador está ligado na tomada?” Ou, “A luzinha da máquina está acesa? E a do monitor?” A assistência técnica adora testar nossa paciência com essas questões. Por fim, antes deles saírem de suas tocas – uma sala cheia de cabos, chips, placas, destok e laptop abertos e ferramentas – para nos atenderem em casa ou buscar as máquinas, a pergunta final: “Já reiniciou o computador?” Pois é, possivelmente assim fique o pai do Otávio. Com essa “conversa mole” pra cima de nós... :)



Não fiz foto do Aercio.

Mas quem precisa dela se o Otávio é a cara do pai?

Que cuti cuti esse guri!

Bom, o que sei é que meus dias de folga tem sido agradabilíssimos ao lado da família Zago – um milésimo dela. No jogo do Brasil marcado para as 11 horas, outro encontro. Eles entendem desse negócio. O Aercio por que é homem, a Lu por que é uma doente por futebol e diz que joga. A Josiane, essa, de certo, deve lembrar-se do tempo em que chutava a bola pra algum canto do futebol de várzea que participava na infância. O que sei é que depois que ela descobriu o salto alto, só quer saber da Pittol Calçados. Mais nada! E não é para comprar chuteiras.

Finalmente, uma foto minha com o ranhentinho...

Comentários

Nanda Assis disse…
que menino liiindoooo!! gente e estes olhos? isso é menino de ta na rede globo!!

bjossss...
Lu disse…
Lindo mesmo meu guri. futuramente garoto de propaganda hehehehehe
muito legal
agora só espero pro churrasco e claro vou ter que arrumar mais um vinho pois aquele de casca dura depois que a nega e a jo tomaram quasi tudo disceram que ele estava forte kkkkkk
é pra acabar mesmo
lu disse…
Você nega é incrivel que pena que passamos pouco tempo juntas mas esse pouco tempo o que rimos, comemos e bebemos deus ulivre de nós. vamos morrer pela boca heheheh
Nanda - O guri é tão lindo quanto na foto. E ligado em 220 volts. Não entendo pra que jogar foot com o moleco que bom de bola desses em casa. heheheh.

Luci - Pouco tempo, mas de qualidade. Certamente. Mas a culpa de tudo isso é da Jô, claro. Hehehehe. Beijocas
Luci Cardinelli disse…
Estar com amigos não tem preço. O Otávio é uma fofura!! Lindo!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe