Pular para o conteúdo principal

Ressaltando a beleza natural


Aquela dívida, de uns anos atrás
Está bem viva,
Você já nem se lembra mais...


Hoje eu saquei dinheiro para pagar as minhas promotoras de beleza: uma da Natura e outra da Avon. Na primeira parada, já quitei a dívida adquirida ao comprar um quarteto de sombras, Coleção Luxo. Lindo! As cores são Rose, Mauva, Ameixa e Púrpura. Peguei o estojinho e rabusquei meu rostinho lindo com tons e cores vibrantes e discretas.

A outra, da Natura, já estou usufruindo os produtos. Sempre que desço para o centro fico com vergonha de bater ao meio dia na sua casa para saldar o débito. Claro que ela não iria se incomodar de ter o almoço interrompido para receber, mas minha mãe sempre diz que não é bom chegar na casa dos outros na hora da refeição.

Agora, ela terá que esperar mais dez dias para receber, pois não me agüentei e entrei no Boticário da Rua Saul Brandalise e trouxe para casa um pincel para pó, que pelo preço e conforto terá dupla função: o de passar blush também. Preciso utilizar um tom de blush que veio com o duo de sombras da Natura que ganhei da minha cunhada do bem. Ate pensei em comprar um que vem com uma espuma aplicadora, mas sabe como é, R$ 66 por oito gramas de pó colorido não cabe no orçamento de uma futura desempregada.

Então gastei R$ 35 no aplicador, cujos produtos já tenho em casa, em desuso. Situação que irá mudar amanhã. Pronto e lá se foi o dindin da promotora. Pior que nem senti vergonha. Gastei, consciente de saber que daqui pouco mais de uma semana terei que desembolsar o dobro, já que vence a “segunda prestação”. Sim, ela parcela tudo para eu poder gastar mais e eu, cliente ingrata, só pago na última cota.

Seguindo no relato do dia, depois de momentos de descontração, petiscos e conversas com amigos, segui na busca da segunda matéria. Sim, por que hoje, Dia da Imprensa, nenhuma pauta da manhã se efetivou. Isso só confirmou o que já imaginava ao abrir os olhinhos com o bichano: “Elaine, fica dormindo hoje ou só mais um pouco”. Mas não, levantei o corpo do leito quente e aprazivo e joguei-o ao tempo frio e a uma rotina que em breve já não fará mais parte do meu cotidiano.

Só este fato já me entusiasmou. Saber que terei um novo desafio, um novo ambiente de trabalho, colegas, estrutura e mais aprendizado e conhecimento, fez-me sorrir.

Confesso que ontem, a semana foi difícil de começar. Desde sábado sabia que a segunda seria de barra pesada. Sempre é assim quando tenho que fazer matérias sobre acidentes de trânsito com mortes. Uma triste realidade que não é exclusividade de Videira, mas que tenho contato frequente. Dois jovens morreram em decorrência de uma colisão frontal e outro está gravemente ferido. Eu, ontem, me controlei para não chorar com uma mãe numa hora e uma jovem viúva noutra.

Isso e outra situação me fizeram rezar pela manhã, enquanto me deslocava para a primeira entrevista. Espero que minhas preces tenham sido ouvidas. Se não, que pelo menos parcialmente atendidas. Afinal, serão menos de 30 dias que precisarei enfrentar. Por fim, não precisarei ouvir mais o tu-tu-tu de uma ligação interrompida, como agora a pouco...

Comentários

Nanda Assis disse…
adoroo!! sou louca com estas coisas, louca mesmo. e ficou linda sua foto!!!

bjosss...
jana disse…
kkkk
acho que esse espelho ficou pequeno para vc....
segunda "prestaça"? kkk
vc não esta gastando muito para quem vem embora de vez? essas prestações irão vencer depois da partida. kkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe