Pular para o conteúdo principal

Não aprendi a dizer adeus


Eu falo de tudo pra vocês. Esse é meu confessionário. Aqui há fatos banais até os mais importantes da minha vida. Momentos de alegria e tristeza recheiam as páginas virtuais deste diário. Eu tenho um amigo que não entende por que as pessoas fazem isso. Acha tudo uma grande bobagem e chama esse espaço de “blog choradeira”. Faço isso por que me faz bem escrever e, embora muitos desconhecidos ou apenas conhecidos freqüentem o Cor de Rosa e Carvão e estejam a par de minhas fraquezas, meus medos e incertezas, eu me declaro.

Sim, declaro meus sentimentos e momentos aos amigos. Os outros são meros expectadores pra mim. São os meus amigos pessoas importantes, independente de suas origens. Gosto de todos e me regozijo com suas vitórias. Não quero saber se são virtuais ou reais. Eu gosto e ponto.

Tenho ciúmes deles também. É tão difícil conquistar o carinho, a atenção e a lealdade de outras pessoas hoje em dia... Meu egoísmo, hoje, permite dividi-los com outras pessoas ou com o mundo. Mas, perdê-los? Ah, isso não. Ao longo desses quase 36 anos já ganhei e perdi tantos amigos, mas todos deixaram um buraco no meu peito, uma dor lacerante, depois raiva, mágoa, enfim, saudades.

Eu também não aprendi a dizer adeus. Nem quero. Quero continuar acreditando que amizade verdadeira persiste e resiste a tudo nessa vida. Que apenas ganha uma pausa na vida da gente, para que o outro siga em frente em sua vida. Prosperando, crescendo, amadurecendo, conquistando, ficando bonito. Não dá para fazer parte 100% da vida das pessoas ao longo dessa trajetória e ainda seguir com a nossa vida ao mesmo tempo. Eu sei... Mas também não precisamos romper os laços.

Mas tem situações que nos levam a isso. Só nos resta, então, deixar o amigo partir. E torcer para que tudo se estabeleça da melhor forma possível. Para um, quanto para outro. Deixar que o vento, em algum sopro mais forte, traga notícias de um futuro bom.

Comentários

Nanda Assis disse…
que isso hein amiga ta mais que poderosa nessa foto!! que invejaaaa.

boa semana!

bjosss...
-----_/._\/…..\_
--_/.._/..../.]\…\
-/..…..//…/_]..\…\
-(…../(…(.[_]./…..)
--\../.\….)._](……/
---\|….\/..[_].\…|
----'-----..[_]--`'
----------..[_]
----------..[_]
----------..[_]
----------..[_]
@-@.@-..[_]@@@
-\/—\/.....[_]—\/-/
Puta que o pariu...vi uma cabeça aí nesse meio que não acreditei..uahuahuahuahauh
Nanda, vou cantar-te Kelly Key: "baba baby, baba!" Hehehe. Bjocas

Peggy Sue, eu tb ri quando vi a figura. Mas faz parte do teu passado isso. Hehehe. Tá na minha foto de penetra... Só tu Pollyanna... kkkkk
jana disse…
ULALA, que decote.... "fiu fiu"
pode ter certeza que é dos amigos que vc fez em videira que vc realmente vai sentir muitas saudades, o que resto, com o tempo só vai contar como experiência e talvez quem sabe uma lembrança ruim
kkkk
Jana, pelo contrário. Eu lamento mesmo todo esse mal entendido. Não tenho mais idade para experiências, o que aconteceu foi descontrole da minha parte. Achei engraçado no início, mas não gostei do final. E a única lembrança ruim é perder uma amizade, mesmo que virtual, por uma besteira qualquer.
Anônimo disse…
Também não aprendi a dizer adeus. Tudo de bom, que Deus te ilumine.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe