Pular para o conteúdo principal

Cortem-lhe a cabeça



Quem sabe eu ainda

Sou uma garotinha

Esperando o ônibus

Da escola, sozinha...

Tenho essa impressão quase sempre. De que sou uma guriazinha, tola, infantil e com muita imaginação. Uma menina em corpo de mulher. Eu envelheço. Minha pele perde a tenacidade anos após anos. O cabelo, o viço; e a agilidade física, que nunca foi um primor, se vai quase que ao mesmo tempo que a disposição. Tenho 35 anos e 9/12, mas, na maioria do tempo, a idade mental é de menos. Bem menos...

Alice tem quase 20 anos e tem que decidir se vai casar ou não, se vai crer no Mundo subterrâneo ou se toma o leme de sua vida. A personagem poderia ter outro nome. Elaine. Com exceção de que não tenho nenhum pretendente para marido, o resto é igual no meu cotidiano.

“Às vezes, antes de tomar o café da manhã, penso em seis coisas impossíveis de acontecer”, diz Alice no País das Maravilhas. Eu nem preciso abrir os olhinhos para ver o mundo de fantasias e no meu café da manhã, preciso, fervorosamente, acreditar em seis coisas necessárias para que volte ao mundo real.

Já deu pra perceber que fui ao cinema hoje. Obviamente também conhecem o filme ou já ouviram falar da fábula de Lewis Carroll. Embora a grande semelhança entre eu a guriazinha imaginativa, minha empatia nesta versão da película foi com a Rainha de Copas. Ela, que na verdade só queria ser amada, optou em ter admiradores pela tirania. Uma opção. Ruim, mas uma alternativa. Só por isso ela já teve a minha simpatia. Por lutar.

A Rainha de Copas, com aquele cabeção e cachos vermelhos me fascinou, mesmo sabendo que a maledicência não tem vez no coração dos que tem fé. Não questiono isso, mas seu charme. E a habilidade de ordenar para que cortem-lhe a cabeça a qualquer contrariedade. Eu, no momento, diria o mesmo para a cabeleireira safada da esquina, que alisou meus cabelos sem meu consentimento. Mas, principalmente para mim mesma. Cortem-me a cabeça!

É. Preciso perder a cabeça cheia de fantasias. O momento é de praticidades, realidade, vitalidade e buscas.

Bobeira

É não viver a realidade

E eu ainda tenho

Uma tarde inteira

Eu ando nas ruas

Eu troco um cheque

Mudo uma planta de lugar

Dirijo meu carro

Tomo o meu pileque

E ainda tenho tempo

Prá cantar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].