Pular para o conteúdo principal

Mimos, risos e carinhos




Meu baby

Faz frio em todo o Sul do Brasil, mas meu coração está bem quentinho. Sou mãe de um gato bem lindo e mimoso e sou filha de uma mulher guerreira, forte, exemplo que poderia ter levado para outra geração de humanos, porém, não o fiz. Talvez não faça. Não sei.

Viajei correndo para ver minha velhinha e voltei na manhã serenada desta segunda-feira. Mas dois dias e duas noites ao lado de minha família vale o sacrifício. Deixei o convívio com meu Sha, resfriado, para confraternizar com meus outros amores. E foi bem divertido.

Meu irmão herdou do pai o título de palhaço agora. Ele é muito engraçado e não pude deixar de rir muito com cada comentário, brincadeira ou trejeitos dele. Minha tia Ica é sádica, mas sempre teve traços da divina comédia. Eu sou tragicômica. Como minha mãe e irmã.

No final da tarde chegou mais uma. A tia Vô. Coisa do Fifo chamar a Ivone assim. Ele tem essa capacidade do Sawyer para apelidar as pessoas [PP e Jana, vocês têm codinome lá em casa]. Bom, a tia chegou do “sítio” e trouxe gostosuras na mala. Claro que fiz uma transferência para a minha, que precisou de uma bolsa extra para carregar tantas delícias naturais do interior gaúcho. Que saudades da casa Vô [ó]... Ia pra lá quando era pequena, passar as férias. E adorava!

Enfim, meu pai fez falta, mas estamos superando tudo isso. Assisti ao filme biográfico de Chico Xavier e aprendi que lágrimas de saudades são pontos de luz no caminho dos desencarnados. Ajuda a quem amamos. Que assim seja então.

Pelo sim, pelo não eu ri com todos. Até conversei com minha velhinha, coisa séria, mas que não pude decidir. Fui e voltei sem saber o que fazer, mas com a certeza de ter para onde voltar, como sempre. Voltei revigorada. Como dizia meu astrólogo, e na época não acreditei, é deles que vem minha força, minha energia vital. Tanto, que hoje posso garantir que não mio mais. Dou rugido.




Véia


Tia Vô com Fifo
Tia Ica

Rê [insiste em ser filha da véia]

Comentários

jana disse…
vc é bem p.... mesmo, aposto que nunca vou saber qual é esse codinome....

frio é pouco, estou a congelar....

a resposta que vc tanto espera para esse dilema uma hora vai aparecer, o que todo mundo quer vc ja sabe, fica tranquila...

estraguei nossa volta para casa, teu amigo consegue me estresser, ele gosta de plateia, do contrário ele não fala
bjs
Anônimo disse…
que post mais lindo!!!!! e que linda família é essa!!!! bjs da rou, aqui juntando forças pra responder a sua "enquete" uahuahuahau
Rou, eles são lindos e uma festa completa, até nos peiores momentos. Tu e o meu irmão no mesmo ambiente seria intolerável. Deboche ao cubo [ele vale por dois, deu pra sacar né?], hehehe. Obrigada queridona, são palavras que brotam do coração.

Jana, claro que sei qual é o desejo de todos e parte [ou maioria] do meu também. E sim, não direi os apelidos. O do PP é tão cumprido que esqueci o teu e o dele juntos. Hehehe. E fica gel. Quem não gosta de plateia??? Hein?????? Hehehe. Achei lindo o beiço. Ah, assim que pus os pés em casa o Fião passou...
jana disse…
esse apelido não deve ser pior do que ser chamada de "essa tal de janaína",
mas sobre isso te mando um e-mail.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…