Pular para o conteúdo principal

A lenda rural que aterroriza as gurias


A primeira dama do Barraco


Parece castigo. Mocinhas da cidade não devem ir ao campo. Os borrachudos adoram o sangue mole dessa gente. Eu, que sou urbana demais, mal saio da cidade e já estou sentindo as picadas. Mas insisto. Vou de pele limpa, fresca e orvalhada pro mato. Ainda mais quando se trata de uma lenda: O Barraco dos Piás.

Afastado de tudo e no meio de uma plantação de pinus, estava a sede campestre dos guris. Naquela peça mediana tinha de tudo: Freezer, fogão a lenha, mesas e cadeiras [inteiras], armário com utensílios domésticos, literatura educativa, e uma pia. Para os associados desgastados da lida, ou do trago mesmo, um colchão, que de certo faz às vezes de alcova. Eu, com minha imaginação fértil, sexualmente fértil, diria, tive ideias para esse contexto...

Na verdade, no Barraco dos Piás dá pra morar tranquilamente. É tudo muito bem organizado. Tem água encanada e energia elétrica. Sim, fiquei pasma. Até agora não sei de onde vem essas delícias da modernidade, mas lá tem. O quarto de banho é grande, tem chuveiro elétrico e a patente é primeira. Nem tive medo de freqüentar o negócio e até lembrei da infância, quando na casa da vó tinha que ir até os fundos do pátio para fazer as cacas.

Naquela época eu tinha medo de cair. Talvez por que sempre gostei de dar tchauzinho pro negócio. Para isso eu tinha que ser rápida, mas a madeira velha rangia e acabava era ficando quietinha, para não acontecer de me juntar com o negócio. Mas no Barraco dos Piás, só faltou ter descarga.

Confesso que também tive inveja dos piás. Tentei inclusive instigar as gurias para organizarem um barraco de nível como os deles. Mas elas, que são prenda, na verdade tem verdadeira ojeriza do local. Lá, mulher não entra, a não ser em datas comemorativas como a deste final de semana, que até eu fui convidada. Argumentei com elas apresentando benefícios, programação diversificada e cultural, entretenimento de primeira, mas nada...

O máximo que consegui foi formar as Barraquetez. Disso elas gostaram, afinal, quem não gosta de fazer um barraquinho de vez em quando? Eu, confesso, para esse tipo de coisa tenho vocação natural.

No Barraco dos Piás, até o patrão é gente que faz

A mocinha da cidade,

contribuindo com a poluição ambiental

E a prenda véia mostrando como se faz

O patrão véio disse que no Orkut não era para revelar o segredo do Barraco dos Piás. Obedeci! Mas não falou nada de Blogger ou Twitter. :D

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe