Pular para o conteúdo principal

O momento é de renovação


Hoje passeei por blog de seguidores, que ainda não havia tido tempo de visitar. Foi uma sequência da atividade que iniciei ontem, no final da tarde. Com tempo e conforme meu provedor permitiu, visitei vários blogues muito legais. Todos de pura sensibilidade, sinceridade e realismo.

Num deles, na verdade, em um dos três que a Luci Cardinelli [só vi um até agora] mantém, me identifiquei. Vida é o nome do espaço. Muitos sentimentos têm ali. E nessa Semana Santa, em que estou com todos eles a flor da pele, me emocionei. Em um deles ela fala sobre respeito e renovação. Em amor e perdão. Em fé e religião. Mas tudo de forma simples e verdadeira, como devem ser tratado esses assuntos.

Nesse post ela publicou a receita para um ovo de Páscoa especial, que reproduzo logo abaixo, com a mesma imagem que a Luci também utilizou. Colei e vocês vão entender por que. Mas antecipo: é exatamente os ingredientes que estou me cercando no dia-a-dia, há pouco tempo, mas que quero manter para sempre como hábito saudável da minha alimentação de vida. É o que desejo para minha família, que são meus amores de sangue, e para os meus amigos.

Um deles, por sinal, está tendo os reflexos desse investimento, que sei que faz há tempo em seus dias. Vendo o resultado dessa receita de paz e amor. Diria que ela tem essa receita há tanto tempo, que até já deve ter aprimorado. Pessoa que merece colher bons frutos, sempre. É minha amiga Márcia, essa queridona que está no centro da foto. Pacienciosa, profissional experiente e dedicada, atenciosa, justa, divertida, carinhosa e lutadora. Inteligente. Um ser super do bem.

Depois de um período turbulento profissionalmente e sozinha, agora ela está com novos desafios e os vencendo, e, namorando. Gente, fiquei tri feliz em saber que tudo está soprando bem para ela, embora mais pro Norte. Enfim, longe ou perto, o que quero aos meus queridos é bem estar, paz, felicidade, amor e trabalho digno. Isso que eu chamo de uma boa ante-véspera de Páscoa. Quer permaneça assim até domingo.


RECEITA DE UM OVO DE PÁSCOA ESPECIAL




Ingredientes:
Perdão, alegria, paciência, fé, perseverança, vontade de ser feliz e paz.

Modo de fazer:
Misture no recipiente bem lavado de sua alma, chocolate, mais perdão e alegria. Deixe calmamente em banho-maria até que todas as mágoas e rancores sejam depurados. Espere esfriar um pouco, salpicando perseverança e paciência e despeje nos dois lados do coração.Prepare seu bombom predileto com recheios de paz e vontade de ser feliz. Reze nesta hora. Desenforme as duas partes moldadas no coração, coloque dentro os bombons, embrulhe com papel transparente de amizade, verdejante e luzente de esperança. Amarre com fitas prateadas de carinho e mande muitos, muitos, pra quem não lhe entende, também... É tempo de redenção.
O cartão é importante: "Quero passar com amor na sua vida, e ficar se você me permitir. Feliz Páscoa, com chocolate no coração".

Texto: Vilma Duarte

Comentários

Elaine disse…
Elaine,
Conheço a Luci, inclusive ganhei dela um coração de tecido artezanal com ervas aromáticas que enche meu guarda roupa de um cheirinho delicioso. E concordo com seu texto: além de ser tempo de ressurreição, este é também um tempo de passagem.
E viva a vida!
Beijos, minha querida.
Elaine disse…
Vixe, artesanal é com s...
Nanda Assis disse…
.
.... /` \ .. /` \
... (/\···\-/···/\)
...... )·o··o·(
..· >{=·Y·=}<
...... /'--^--'\
..... (_)----(_)
./·*······((·*···*·'..
|·····*···))···*···*·\
|···*·····((··*···*··/
.\····*···))····*··.'. .
Lidia Ferreira disse…
Vou dar uma passadinha la para conhecer
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe