Pular para o conteúdo principal

Tem contra dor de cotovelo?


A lua é de prata já faz algumas noites. Cheia ou Nova, não sei. Mas está linda. Perfeita para os enamorados e instigantes para aqueles que aspiram romances. Eu, mesmo me incluo nesse esquema de escola-cinema, mas não estou adiantando nada. E olha que não é por falta de tentativas [e nisso só vou queimando meu filme, que já é escuro naturalmente]. E, possivelmente, daqui a 75 dias eu passe o dia de São Valentim brasileiro ainda “avulsa”, como diria meu bom e velho pai.

Hoje, fui fazer uma matéria sobre o desenvolvimento da campanha de vacinação contra o vírus H1N1, aqui na cidade. A única do dia, para encerrar um mês adverso em muitos quesitos para minha opinião insignificante. Entre gestantes, crianças e doentes crônicos, lá estava eu, fazendo perguntas e tirando fotos, além de ter garantido minha dose. Estou dentro do perfil. Sou obesa.

Doeu! Não tanto quanto dor de amor. Aliás, nem de longe. Também não foi tanto quanto um domingo de sol ou uma tarde de sábado chuvosa, sem o amor do lado. Dias esses que considero perfeitos para momentos perfeitos, a dois.

Tentei relaxar a musculatura da perna enquanto a técnica de enfermagem preparava a seringa com o medicamento. Levantei a saia e falei para me distrair. Já tinha visto crianças demais chorando nos últimos minutos e uma gestante de 16 anos apavorada com a idéia de ser picada pela agulha da injeção [já que o outro picão, com certeza, ela não deve ter reclamado e nem feito cara feia]. Meu falatório não deu certo. Ri de nervoso enquanto ela enfiava a agulha na minha coxa e injetava o remédio pra dentro e a enfermeira ria do meu riso.

Na hora pensei em perguntar a simpática senhora: “Tem uma pra dor de cotovelo?” Ao invés disso só tive a coragem de questionar-lhe sobre o local da vacina. “Tem que ser só na coxa?” Não, me disse ela, completando em seguida: “Poderia ser na barriga também, mas a vacina não gosta de onde tem muita gordura”. Toin!

Eu, que já estava com o coração sensível e a coxa dolorida, também saí de lá do setor de vacinas com o orgulho ferido...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe